quarta-feira, fevereiro 06, 2008

Senhores do Crime


Muitos filmes sobre máfia retratam o universo dos criminosos com olhos atentos para detalhes. Geralmente, o cinema mostra como funcionam os bastidores e todas as engrenagens da máfia. Em Senhores do Crime (Eastern Promises, 2007), no entanto, somos apresentados a uma família russa (não italiana), que comanda um restaurante de fachada em Londres. O filme não necessariamente revela os interiores da máfia, mas se prende aos personagens para tentar explicar como pessoas com escolhas acabam optando por enfrentar diariamente um tipo de negócio que é, em si, um mundo de violência sem fim. É a história de pessoas de dentro ou fora da máfia, mas que, de alguma forma, são puxadas para o centro do eterno conflito entre lei e corrupção.

Senhores do Crime é a segunda parceria entre o diretor canadense David Cronenberg e o ator americano Viggo Mortensen. Aqui, eles superam o trabalho anterior feito em Marcas da Violência. Uma grande colaboração ao belo esforço da dupla é a presença do ótimo roteirista Steven Knight, que também escreveu o original Dirty Pretty Things, de Stephen Frears.

O texto criado por Knight poderia muito bem (nas mãos de outro diretor) virar um típico filme de máfia. Bom, eu e você sabemos que o gênero parece ter esgotado qualquer traço de originalidade. David Cronenberg, que não é lá um cara muito normal, também sabe disso, e decidiu injetar um pouco de ânimo ao “gênero”. Em todas as cenas de Senhores do Crime, a impressão que fica é que o roteiro precisava mesmo de um diretor como Cronenberg – um cineasta talentoso e acostumado a abordar temas violentos (e bizarros), mas que jamais investigou mafiosos como, por exemplo, Coppola ou Scorsese.

Dito isso, Senhores do Crime é um sopro de originalidade ao gênero. E não somente por retratar a máfia russa no lugar da italiana e da irlandesa, ou por não disparar um tiro sequer – os personagens são executados com navalhas ou facas. Outra curiosidade interessante ligada a Senhores do Crime é que Cronenberg filmou em Londres sem se encantar com a tradicional beleza urbana da cidade. Além disso, temos vários personagens com falas, mas não me lembro de nenhum londrino importante na trama.

Apesar de todos os pontos acima destacados, a grande força do filme está nos personagens de Viggo Mortensen e Naomi Watts. Mortensen é Nikolai, um motorista e guarda-costas de Kirill (Vincent Cassel), filho do chefão russo Semyon (Armin Mueller-Stahl). Frio e calculista, Nikolai sempre limpa as sujeiras do rapaz e parece muito mais confiável para os negócios da família do que o herdeiro de sangue sem juízo. Sabendo disso, Kirill inveja o jeito como seu pai trata Nikolai. Mesmo com raiva, Kirill não faz nada contra Nikolai, afinal ele tem uma paixão retraída pelo fiel guarda-costas - o que é tratado com muita sutileza por Cronenberg.


Enfim, Senhores do Crime pode ser visto como a história de Nikolai. Mas também pode ser considerado como a história de Anna (Naomi Watts). Ela é uma parteira que se envolve na trama por causa de um bebê que pode ter alguma ligação com os tais mafiosos russos. Tatiana (Sarah-Jeanne Labrosse), a mãe da criança, morreu no parto. De origem russa, ela é a explicação para o título original Eastern Promises, que representa sua busca por uma vida melhor em Londres. Infelizmente, Tatiana só encontrou violência e morte. Esse sentimento também atinge todos os personagens de Senhores do Crime. Todos procuram um mundo melhor dentro de seus próprios ideais.

Neste universo de violência ininterrupta, David Cronenberg e Steven Knight estudam se a alma de quem trilha pelo caminho de morte e sangue desaparece por completo. Diretor e autor apostam no amor como salvação. Para eles, a menor demonstração de amor é capaz de trazer uma alma perdida de volta para a luz. Ninguém é bom ou mau o tempo todo.

A grande sacada de Senhores do Crime é contar a trama sem que o público espere por novidades. Desse jeito, você vai se surpreender. E ainda mais com a atuação de Viggo Mortensen, que ganhou um verdadeiro presente de Cronenberg e Knight. Por mais estranho que isso possa parecer, o ator faz de seu Nikolai uma espécie de Santo Urbano. E moderno dentro deste cenário. Na cena do ritual da máfia russa, Mortensen impressiona. Ele faz o público pensar em qual será a sua reação, mas apresenta uma expressão completamente inesperada. E tem mais uma seqüência que mostra a coragem deste grande ator. É a tão comentada luta na sauna. Essa é uma cena que será lembrada por muitos anos. E não só pelo "figurino" de Mortensen, mas por sua extrema dedicação e entrega ao papel e pelo modo brilhantemente nervoso como foi filmada por David Cronenberg.

Senhores do Crime (Eastern Promises, 2007)
Direção: David Cronenberg
Roteiro: Steven Knight
Elenco: Viggo Mortensen, Naomi Watts, Vincent Cassel, Armin Mueller-Stahl, Jerzy Skolimowski, Josef Altin, Sinéad Cusack e Sarah-Jeanne Labrosse

18 Comments:

At 11:10 PM, fevereiro 06, 2008, Anonymous Wally said...

Wow...rsrs...me deixou super intrigado. Adorei Marcas da Violencia, e aguardo com certa ansiedade este próximo filme.

Ciao!

 
At 11:16 PM, fevereiro 06, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Eu gostei ainda mais de SENHORES DO CRIME, Wally.

Vc já viu o Cronenberg nojento de NA HORA DA ZONA MORTA, A MOSCA e SCANNERS. Ou começou com MARCAS DA VIOLÊNCIA?

Abs!

 
At 11:18 PM, fevereiro 06, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Esqueci a interrogação: Vc já viu o Cronenberg nojento de NA HORA DA ZONA MORTA, A MOSCA e SCANNERS? Ou começou com MARCAS DA VIOLÊNCIA?

 
At 11:41 PM, fevereiro 06, 2008, Anonymous Vinícius P. said...

Então quer dizer que esse foi mais um esquecido do Oscar 2008? Estou começando a acreditar que aqueles filmes que realmente mereciam a estatueta ficaram de fora da seleção final - ao menos lembraram do Viggo Mortensen. Seus comentários me deixaram ainda mais animado, devo ver em breve.

Quanto ao Cronenberg, só conheço a nova fase dele, com "Spider" e "Marcas da Violência". Abraço!

 
At 11:44 PM, fevereiro 06, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Vinicius, o filme é sensacional. Pensei um pouco sobre a cena final, que de início me decepcionou. Mas pensei um pouco e acho que ela combina com o filme e conclui bem a mensagem passada pela trama. E ela está no meu texto. Bom, eu acho.

Cronenberg sempre foi esquisitão. Mas, agora, ele está mais maduro.

Abs!

 
At 11:55 PM, fevereiro 06, 2008, Anonymous Lucas said...

Sim, mais um "esquecido" pelo Oscar.
A cena da sauna e a cena do "ritual", esqueci o nome daquilo, são uma das melhores do ano, e o Viggo ainda tem minha torcida no Oscar.
Mas do Cronenberg prefiro Marcas da Violencia e Gêmeos.

 
At 4:28 AM, fevereiro 07, 2008, Anonymous Wally said...

Otavio, tecnicamente, Spider foi meu primeiro Cronenberg, mas o vi com a cabeça ainda muito jovem. Marcas da Violencia foi o primeiro filme se formos analisar noção de cinema que tinha quando o vi. Devo ter visto umas 3 vezes. Adoro. E quero procurar esta fase louca dele.

Ciao!

 
At 5:28 AM, fevereiro 07, 2008, Anonymous Marco said...

Eu me decepcionei um pouco com Marcas da Viol�ncia (principalmente porque estava com uma expectativa enorme), ent�o n�o estou muito empolgado com Senhores do Crime. L�gico que, por ter Naomi Watts, vou ver sem d�vida!

 
At 10:47 AM, fevereiro 07, 2008, Blogger Museu do Cinema said...

É Otávio, todos comentam dessa tal cena da briga na sauna. Tô louco para ver.

 
At 10:50 AM, fevereiro 07, 2008, Blogger Museu do Cinema said...

Quanto ao Cronenberg acho que ele é um cineasta singular, mas ele chegou ao seu melhor filme muito cedo com Crash!

 
At 11:51 AM, fevereiro 07, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Lucas, considero como um dos esquecidos.

Wally, procure essas três nojeiras.

Marco, vá sem expectativas. Assim, vc será surpreendido. É um belo filme.

Cassiano, acho que vc vai gostar do filme. E eu já considero esse o melhor de Cronenberg.

Abs!

 
At 3:44 PM, fevereiro 07, 2008, Blogger Kamila said...

Eu gosto muito de "Marcas da Violência" e confesso que não esperava muito desse "Senhores do Crime", mas seu texto está tão bom que eu me decidi a querer assistir a este filme. Acho que o Viggo é uma das grandes surpresas dessa temporada de premiação e muita gente tem até diminuído sua performance, dizendo que ele deve ter sido indicado só porque aparece pelado no filme.

Beijos.

 
At 4:34 PM, fevereiro 07, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Não é verdade!!!! Quem disse que ele aparece pelado????

:) Ok, sério agora! Eu vejo assim: ele está muito bem. Mas o papel é muito bom. Vcs vão ver. Não posso contar... Mas por isso que eu disse que ele ganhou um presente do diretor e do roteirista.

 
At 1:35 PM, fevereiro 08, 2008, Blogger Felipe Nobrega said...

BAH! Depois desse post fiquei mais curioso ainda, fiquei contente pela indicação de Viggo, que ja merecia por "Marcas..." e que sua parceria com Crnenberg renda bastante filmes desse calibre. Quanto aos filme de máfia é interessante como esse "esgotamento" de originalidade pode ser driblado por alguns elementos como um bom roteiro e interpretações acima da média, e com isso acredito que ele nucna sairá de cena, assim como outros gêneros ou subg~eneros que nunca se esgotam.
vlw!

 
At 3:00 PM, fevereiro 08, 2008, Blogger Alex Gonçalves said...

Otavio, vou assistir "Senhores do Crime" hoje a noite. Já era para eu ter visto em Dezembro, mas fiquei adiando para ver outros filmes de Cronenberg (entre eles, o estupendo "A Hora da Zona Morta" e o decepcionante "Crash - Estranhos Prazeres). Não é um diretor que gosto (detesto "Scanners" e "Spider"), mas não diminui a expectativa enquanto ao seu novo filme.

No texto gostei, em especial, do penúltimo parágrafo. Espero também gostar bastante da história e do resultado.

Excelente fim de semana.

 
At 3:13 PM, fevereiro 08, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Obrigado, amigos! Na verdade, pensei que o filme estrearia hoje. Me enganei.

Abs! Bom final de semana!

 
At 6:33 PM, fevereiro 09, 2008, Blogger Pedro Henrique said...

Achei bom demais e guardadas as devidas proporções, achei melhor que O Gânsgter.

 
At 11:01 PM, fevereiro 09, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Eu tb achei melhor que O GÂNGSTER, Pedro. Que bom que gostou.

Só acho que merecia mais indicações ao Oscar.

Abs!

 

Postar um comentário

<< Home