quinta-feira, fevereiro 12, 2009

Coraline e o Mundo Secreto


Quando saí da sessão de Coraline e o Mundo Secreto (Coraline, 2009), eu estava tão chocado com a proposta de fantasia Off Hollywood, que era impossível dizer se gostei ou não do filme. Mas, estranhamente, as cores, as cenas e o clima dividido entre o encantador e o assustador jamais deixaram a minha mente. Cheguei a sonhar por algumas noites com o universo fantástico criado por Neil Gaiman e adaptado para o cinema pelo diretor Henry Selick, de O Estranho Mundo de Jack. E isso só pode ser bom sinal.

O ponto é que Coraline vem da mente de Neil Gaiman, autor do livro infanto-juvenil que deu origem ao filme. Perto do que Hollywood costuma produzir, a obra de Gaiman é muito mais madura e sombria. Parece até que estamos diante de outra cultura, outra linguagem - algo que costuma sair da imaginação oriental, sendo, geralmente, incompreensível para uma cabeça ocidental.

Para mim, Gaiman foge do tradicional e se aproxima um pouco da mente de um Hayao Miyazaki, criador de animações como A Viagem de Chihiro. Embora a comparação seja exagerada, acho que sua obra está mais para os japoneses do que para os americanos. Para aproximar um pouco, acho também que está mais para quem gostou de O Labirinto do Fauno, do mexicano Guillermo Del Toro, do que os filmes do americano Tim Burton. Prefiro analisar por este lado a dizer que Coraline é "tanto para crianças quanto para adultos". Enfim, Shrek também é. Assim como WALL-E ou Ratatouille. São exemplos que buscaram originalidade, mas permaneceram com uma visão tradicionalmente... americana. Ou seja, Coraline não é necessariamente ousado ou à frente de seu tempo. Apenas é... diferente. Não tem a cara de Hollywood. Há uma maturidade tão definida nessa história que, se Deus quiser, está vindo para ficar.

Engana-se quem pensa que Coraline é mais do mesmo. Especialista na animação stop-motion, Henry Selick, desta vez, une essa técnica ao 3D. Coraline, no entanto, não traz objetos e personagens saltando aos montes da tela para assustar a platéia. Apenas aproveita todo o espaço para aumentar a profundidade de cada plano e tornar real e próximo cada objeto e boneco feitos à mão. Não lembro de outro filme que tenha utilizado o 3D com esse intuito. É a primeira produção neste formato a dar mais importância para a história do que para os efeitos visuais. Vendo assim, Coraline é evolução. E é engraçado pensar nisso sabendo que Henry Selick uniu o melhor de dois mundos: o antigo e o novo.

A premissa do filme é simples, mas aos poucos, caminha para se tornar uma das histórias mais originais já contadas pelo cinema. É a saga da menina Coraline (voz de Dakota Fanning), que se muda com seus pais workaholics (Teri Hatcher e John Hodgman) para um velho casarão. Entediada e infeliz, Coraline explora a vizinhança, faz amizade com um menino falastrão (Robert Bailey Jr.), e durante suas andanças pela casa, encontra uma portinha em uma das paredes a la Quero Ser John Malkovich. É como a toca do coelho de Alice no País das Maravilhas. Mas não quero contar onde essa passagem vai dar. Prefiro que você viva essa experiência. Basta saber que Coraline entrará no avesso da realidade.


Depois disso, você verá que o filme toma um rumo de difícil comunicação com mentes que vêem animações como produtos para sossegar e divertir a criançada numa temporada de férias. O roteiro é cheio de camadas, algumas imperceptíveis sem uma revisão, ligadas a uma sensibilidade contemporânea tão sutil e, ao mesmo tempo, equilibrada com a fantasia dos melhores contos de fadas já contados.

Coraline é um filme de uma beleza única tanto em seu visual quanto em seu conteúdo. É um passo a frente para o cinema, que mostra que pode evoluir sem deixar as influências clássicas no limbo. É uma fantasia com a cara do novo milênio, que compreende diferentes culturas, e mostra aos fãs de Totó e Dorothy, que definitivamente não estamos mais no Kansas.

Coraline e o Mundo Secreto (Coraline, 2009)
Direção: Henry Selick
Roteiro: Henry Selick (Baseado no livro de Neil Gaiman)
Com as vozes de Dakota Fanning, Teri Hatcher, Jennifer Saunders, Dawn French, Keith David e John Hodgman

10 Comments:

At 7:47 PM, fevereiro 12, 2009, Blogger Denis Torres said...

Parece ser muito interessante... Vou ver se vejo amanhã. Abs.

 
At 12:36 AM, fevereiro 13, 2009, OpenID cinefilapornatureza said...

Já vi que este é mais um filme de animação mais dirigido aos adultos do que às crianças. Seu texto é mais um dos que leio elogiando demais "Coraline". Pretendo assistir ao longa neste final de semana.

Beijos!

 
At 7:34 AM, fevereiro 13, 2009, Blogger Romeika said...

Otavio, amei o texto, acho q vou amar o filme. Pena q vou ter q esperar ate maio (!) pra isso. Bjs!

 
At 3:10 PM, fevereiro 13, 2009, Blogger Johnny Strangelove said...

Nesse filme ... I trust!
Vou ver o mais rápido possivel ...
abraços

 
At 10:00 PM, fevereiro 14, 2009, OpenID cinefilapornatureza said...

Assisti ao filme hoje e fiquei também impressionada com a beleza das cenas e com o conteúdo do filme e reforço minha impressão de que este é um filme dirigido mais aos adultos que aos pequenos.

Beijos!

 
At 10:28 PM, fevereiro 14, 2009, Blogger Vinícius P. said...

Ainda não vi o filme, mas já começo a ficar ansioso devido a todos os comentários positivos. Não sei se você acha isso, mas dizem que é o primeiro grande lançamento de 2009 e que com alguma campanha pode concorrer ao próximo Oscar de animação.

 
At 11:31 PM, fevereiro 14, 2009, OpenID cinevita said...

Fiquei curioso agora, não esperava tanto. Tentarei vê-lo amanhã e deixarei Jason assustar outro.

 
At 12:35 PM, fevereiro 15, 2009, Blogger Otavio Almeida said...

Denis, já viu?

Kamila, que bom que gostou. E não é para gente miúda não.

Romeika, que pena! Só maio?? Mas acho que você vai gostar do filme. A espera valerá a pena.

João, depois me conta o que achou.

Vinicius, eu concordo. Primeiro grande filme do ano. E deve ir ao Oscar. Vamos ver, no entanto, o que a Pixar apronta em UP.

Abs!

 
At 12:36 PM, fevereiro 15, 2009, Blogger Otavio Almeida said...

Wally, Jason pode esperar. Dê prioridade aos filmes do Oscar e a CORALINE. Abs!

 
At 12:44 PM, fevereiro 16, 2009, Blogger Romulo Silva said...

Genial. Mesmo.
E realmente é tão gostoso ver animação que não seja com o jeito pixar de se fazer.

 

Postar um comentário

<< Home