sexta-feira, fevereiro 13, 2009

Habemus Jason

Chi chi chi, ha ha ha...


A garotada que gosta de Jogos Mortais e O Albergue tem a chance de conhecer, a partir de hoje, o grande Jason Vorhees, o mais elegante e educado entre os assassinos mascarados do cinema. Já os fãs da cinessérie Sexta-Feira 13 que viveram os anos 80, ficam de olho na nova versão preparada pelo diretor picareta Marcus Nispel, do patético remake de O Massacre da Serra Elétrica (2003), e o produtor Michael Bay, o gênio da destruição.

Tudo começou em 1980, quando Hollywood tentou aproveitar o sucesso de Halloween (1978), de John Carpenter, que apresentou um assassino mascarado demente matando tudo o que via pela frente. Seu nome era Michael Myers. Não o ator homônimo de Quanto Mais Idiota Melhor (1992) e Austin Powers (1997), claro. Bom, mas o primeiro rival à altura de Myers foi Jason Vorhees, de Sexta-Feira 13, que teve 10 filmes e um crossover com outro assassino bacana: Freddy Krueger.

Mas o primeiro Sexta-Feira 13 (1980), dirigido por Sean S. Cunningham, trazia não Jason como o matador de adolescentes fornicadores e pecadores em Crystal Lake. Quem desceu o facão na galera foi a Mamãe Vorhees (Betsy Palmer), que desfilava sua vingança pela morte do pobre menino Jason, que afogou no lago Crystal, enquanto os jovens ao redor apenas se divertiam com sexo, drogas e rock 'n roll. Entre os homenageados pela ira da Sra. Vorhees no Sexta-Feira 13 original estava o jovem Kevin Bacon.

Somente em Sexta-Feira 13 - Parte II (1981), dirigida por Steve Miner, que Jason apareceu - e com um pano enrolado na cara. Mais do mesmo. Só que desta vez era o jovem Jason vingando seu afogamento e a morte de sua doce e querida mãe decapitada com um remo no fim do filme original. Em Sexta-Feira 13 - Parte III (1982), exibida em 3D nos cinemas, novamente com direção de Steve Miner, Jason trocou o pano por uma máscara de hóquei, eternizando para sempre sua imagem icônica na cultura pop. Então veio mais um: Sexta-Feira 13 - Parte IV: Capítulo Final (1984), de Joseph Zito, estrelada pelo grande Corey Feldman, de Os Goonies (1986) e Os Garotos Perdidos (1987), que mandou Jason desta para uma melhor.

Depois disso, Sexta-Feira 13 virou palhaçada e motivo de piada com a Parte V, que teve o subtítulo Um Novo Começo (1985), o pior de todos os episódios, assinado pelo "quem?" Danny Steinmann. O assassino nem era o Jason, mas um maluco que usou sua máscara e fama. O verdadeiro mestre só retornaria em Sexta-Feira 13 - Parte VI: Jason Vive (1986). O diretor Tom McLoughlin carregou no humor para entregar um episódio bem divertido e um tanto diferente de seus anteriores. Mas Jason ainda insistiria em não descansar no inferno com mais dois filmes "oficiais": Sexta-Feira 13 - Parte VII: A Matança Continua (1987), de John Carl Buechler, e o ridículo Sexta-Feira 13 - Parte VIII: Jason Ataca em Nova York (1989), de Rob Hedden. Ou seja do V ao VIII, Jason não assustava nem criancinha. Mas os fãs gostavam de vê-lo matando sempre de uma forma diferente de um filme para o outro. Jason ainda foi explorado em outras produções picaretas como Jason Vai Para o Inferno - A Última Sexta-Feira (1993), de Adam Marcus, e Jason X (2001), de James Isaac.

É claro que os 10 filmes não são maravilhas do cinema, mas quem viveu os anos 80 e a ascensão do VHS também se divertiu com Jason Vorhees. Não havia como fugir desse guilty pleasure. Os garotos, em geral, adoravam. As meninas, pelo menos, acompanhavam seus namorados em sessões de cinema ou VHS. Talvez seja um cenário incompreensível para a geração de hoje, mas quem viveu aquela época sabe do que estou falando, afinal a garotada de hoje está ligada no terror torture porn de Jogos Mortais e O Albergue.

Ainda é cedo para saber se o filme de Marcus Nispel que chega nesta sexta-feira 13 aos cinemas irá conquistar novos fãs, mas já é um começo. E peço desculpas aos fãs desses slasher movies atuais, mas Jason Vorhees, Freddy Krueger, Mike Myers e Leatherface, de O Massacre da Serra Elétrica (1974), eram muito mais charmosos e carismáticos que o herdeiro mais próximo, Jigsaw.

Não vi o novo Sexta-Feira 13, que, aliás, não é um remake, mas uma reinvenção. Yeah, right. Mas o que mais me incomodava na cinessérie original não era a ruindade assumida dos filmes, mas a falta de um desenvolvimento do personagem principal - sim, Jason é o principal. Jamais houve uma explicação maior ou visita ao lugar onde o maníaco se esconde, algo assim. Nada. Ele somente não morria e voltava para matar suas vítimas sempre de uma maneira diferente da outra. Mais do mesmo. Isso sempre me deixou incomodado.

Além de grana, imagino que o grande objetivo de Marcus Nispel e Michael Bay esteja na tentativa de conquistar novos fãs e, claro, em recuperar Jason como um ícone do terror. Espero, pelo menos, que o filme assuste. E não gere risadas, porque já cansei das piadas em torno do herói de Sexta-Feira 13. Portanto, seja bem-vindo de volta, Jason! Merecemos a sua vingança!

9 Comments:

At 9:53 PM, fevereiro 13, 2009, Blogger Weiner said...

Gozado que dentre todos estes assassinos da década de 1980 (Michael Myers, Freedy Kruger), somente Jason não me amedrontava. Os filmes do vilão eram os mais risíveis, e olha que já vi quatro partes destas maluqices, incluindo o ridículo "Freddy vs Jason". Portanto, desta versão 2008 eu estou fora.

 
At 9:55 PM, fevereiro 13, 2009, Blogger Leonardo said...

Valeu por contar o final do primeiro filme.

 
At 10:35 PM, fevereiro 13, 2009, Blogger Johnny Strangelove said...

Eu curto O Albergue ... ehehehe ...
Mas tirando isso, claro que Jason é importante para o cinema, mesmo com suas sequencias esqueciveis ...

E espero que você como fã do personagem, veja um bom filme ... se for ruim ... tanto faz como tanto fez ... veja uma visão sobre a franquia lá no meu blog
abraços

 
At 2:35 PM, fevereiro 14, 2009, Blogger Denis Torres said...

Ay caramba!

 
At 9:35 PM, fevereiro 14, 2009, Blogger Gustavo H.R. said...

A fita original ainda é algo inédito pra mim; melhor aproveitar o embalo desse remake e tirar o atraso.
Jason vive. E co mquase 20 milhões arrecadados no dia de estréia nos EUA!

Cumps.

 
At 10:00 PM, fevereiro 14, 2009, OpenID cinefilapornatureza said...

Poxa, Otavio, o Marcus Nispel não é picareta. No gênero de terror, ele até que fez trabalhos legais como o remake de "O Massacre da Serra Elétrica". E eu me surpreendi quando li dois bons textos sobre o novo "Sexta-Feira 13". Mesmo assim, é um filme que não pretendo conferir nos cinemas...

Beijos!

 
At 10:24 PM, fevereiro 14, 2009, Blogger Vinícius P. said...

Confesso que nunca fui muito fã da série, por isso não estou nem um pouco ansioso por esse novo "Sexta-Feira 13". O que me surpreendeu foi a quantidade de elogios que essa produção recebeu.

 
At 12:44 PM, fevereiro 15, 2009, Blogger Otavio Almeida said...

Weiner, acho que SEXTA-FEIRA 13 virou piada da PARTE V em diante. Mas o VI é legal. Os melhores são os 4 primeiros, mas é sempre mais do mesmo. Ninguém explora o Jason, sabe? Não desenvolvem sua história. O que importa é só carne nova no pedaço e como Jason mata cada um deles. Aí, com vários filmes, não dá pra levar a śerio mesmo. Abs!

Leonardo, peço desculpas! Mas é um filme de 1980, ridicularizado por muitos. Não achei que seria novidade. Mas peço desculpas. Abs!

João, passo lá pra dar uma olhada! Valeu! Abs!

Denis, Jason é legal. O problema são os atores que contracenam com ele. Abs!

Gustavo, boa sorte! Aposto que vc irá se divertir. Saiba que não é nenhuma maravilha. Apenas... divirta-se! Abs!

Kamila, ok! Marcus Nispel é legal, vai! Acho que exagerei. Se chamei Michael Bay de "gênio da destruição", então posso poupar o Marcus Nispel, né? Bjs!

Vinicius, a Kamila também citou esses elogios. Estranho... não entendo a crítica. Definitivamente. Mas acho que vc pode esperar pelo DVD, ver em casa, sabe? Do jeito que a série cresceu no imaginário coletivo. Na telinha. E não na telona. Abs!

 
At 8:51 PM, fevereiro 15, 2009, Blogger Pedro Henrique said...

Gostei da retrospectiva! Vou ao cinema ser decapitado por ele essa semana!

 

Postar um comentário

<< Home