sexta-feira, outubro 02, 2009

Salve Geral


No sistema atual, ninguém é de ninguém. E não existe essa de certo ou errado. O que impera neste mundo dos espertos é a lei do mais forte. Pelo menos é o que acha o diretor Sérgio Rezende em Salve Geral (2009), produção nacional que tenta vaga no Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Neste contexto, Rezende fez um filme sobre o descontrole do indivíduo e, consequentemente, da sociedade. Até que começa interessante com uma abordagem, que não deixa de ser corajosa, de São Paulo (ou o Brasil) nas mãos dos bandidos – aqueles que ficam atrás das grades, claro. Se bem que, em Salve Geral, há um interminável entra e sai de policiais, visitantes e detentos do presídio, que a cidade inteira acaba se tornando uma imensa prisão. E Salve Geral não é exatamente sobre os ataques e as ameaças do PCC (Primeiro Comando da Capital), em maio de 2006, na cidade de São Paulo. Esse é o pano de fundo para a luta de uma mãe, Lúcia (Andrea Beltrão), para tirar seu filho da cadeia.

Ok, agora é a minha vez: O diretor, no entanto, não quis seguir a linha dos atuais filmes catástrofes de Hollywood, que costumam concentrar a narrativa em pais e filhos tentando sobreviver a ataques alienígenas ou às revoltas das forças da natureza. Pode cair o mundo, mas a câmera segue a família. Por mais que isso tenha caído no clichê, trata-se de um recurso para gerar um link emocional com o público e (por que não?) com a Academia, afinal é o que todos esperam de Salve Geral. Acho que Sérgio Rezende não deveria ter tentado analisar a situação como um todo, dando voz a diversos personagens em diferentes cenários. É como se em Guerra dos Mundos, Spielberg tivesse mostrado o lado dos alienígenas, assim como dos parentes e vários vizinhos de Tom Cruise e Dakota Fanning.

Cara, isso é só um exemplo para destacar um artifício narrativo. Sei muito bem que Salve Geral e Guerra dos Mundos pertencem a gêneros distintos. Mas se o diretor seguisse apenas o ponto de vista de sua protagonista, Salve Geral ainda falaria da interligação da sujeira entre poder e corrupção – sem isentar o povo de culpa. E teria saído mais emocionante. Infelizmente, Rezende cisca em vários terrenos possíveis para se avaliar o assunto e acaba não se aprofundando em nenhum deles.


Talvez o diretor esteja mais preocupado com propaganda política às vésperas das eleições presidenciais no Brasil, afinal seu filme é uma arma e tanto para alfinetar o principal adversário do atual governo. Neste caso, independentemente de minhas orientações políticas, Salve Geral é eficiente, mas desinteressante como cinema. Aliás, Rezende ainda falha de forma tosca em algumas cenas, em que a música anuncia ao público o que virá a seguir. Talvez ele precise abandonar um pouco a leitura das notícias populares (e dos livros de História, afinal ele dirigiu Lamarca e Canudos) para retornar ao primário das aulas de cinema.

Ao menos, temos Andrea Beltrão, que é uma grande atriz. Se o público não se reconhece 100% em sua personagem, isso é culpa de Sérgio Rezende. Quem é que consegue engolir a paixão nada convincente de Lúcia por um detento? Será que o diretor quer relembrar a ex-garotinha do Balão Mágico? Ou que a gente tenha simpatia por ex-Polegar? Ah, tenha dó.

Salve Geral (2009)
Direção: Sérgio Rezende
Roteiro: Sérgio Rezende e Patrícia Andrade
Elenco: Andrea Beltrão, Lee Thalor, Denise Weinberg e Bruno Perillo

18 Comments:

At 7:38 PM, outubro 02, 2009, Blogger Bruno Soares said...

Rapaz, vai demorar até eu conferir esse filme. Aliás, estou impressionado com o desinteresse de quase todo mundo que eu conheço. Só espero que não seja tão desastroso quanto aquele ÚLTIMA PARADA 174.

Ah, já viu a pequena maravilha chamada DEIXA ELA ENTRAR que estreou hoje tb? Abs!

 
At 7:42 PM, outubro 02, 2009, Blogger Otavio Almeida said...

Não vi DEIXA ELA ENTRAR, cara! Vou ver durante a semana. Não perco de jeito nenhum.

Abs! Bom final de semana!

 
At 8:27 PM, outubro 02, 2009, Blogger Victor Nassar said...

Vixi, mas já cansou esse tipo de filme por aqui também né? Chega. O Brasil não é só isso, e mesmo que fosse, o cinema tem a liberdade de caminhar por onde bem entender...

Não verei. E tenho dito! hehe

 
At 8:37 PM, outubro 02, 2009, Anonymous Denis Torres said...

Ainda bem que foi grátis, hehe. E te ter simpatia por ex-Polegar foi froids, kkkkk. Abs!

 
At 9:31 PM, outubro 02, 2009, Anonymous Vinícius P. said...

Engraçado foi ver o diretor achando esse trabalho muito importante para nosso cinema. Não sei o que pensar pois ainda não vi, mas no que diz respeito ao Oscar penso que foi uma escolha equivocada.

 
At 6:26 AM, outubro 03, 2009, Anonymous Wally said...

Shit. "E o Oscar vai para... não o Brasil (novamente)".

 
At 9:38 AM, outubro 03, 2009, Anonymous Kamila said...

Vou assistir a este filme hoje. Por isso, deixo para ler e comentar direito seu post, mais tarde!

Beijos e bom final de semana!

 
At 12:35 PM, outubro 03, 2009, Anonymous Gustavo said...

Isso quer dizer que não ganharemos o Oscar? rsrs

 
At 1:27 PM, outubro 03, 2009, Blogger Kau Oliveira said...

Otavio, como eu te disse, ainda quero ver este filme hahahaha. Mesmo com a crítica sendo negativa, tenho curiosidade.

Mas À Deriva voltou aos cinemas daqui e Deixe Ela Entrar estreou... então, Salve Geral fica pra depois!

Abs!

 
At 2:15 PM, outubro 03, 2009, Blogger Weiner said...

Otávio, você disse tudo. Esse filme é muito fraco. Mesmo que o Brasil seja louco por filmes de apelo emcional (para emocionar a Academia), acho que a coisa aqui perdeu o eixo. Não me convenceu um minuto sequer. Mas realmente tem a Andrea Beltrão, que vale esta estrela que você colocou na cotação.
Por isso, também faço a pergunta: não havia algo melhor para concorrer com o resto do mundo? "Salve Geral" não é o Rio contra Madri. :-)
Abs!

 
At 3:33 PM, outubro 03, 2009, Blogger Dr Johnny Strangelove said...

Oscar FAAAAIILL
Cade o keyboard cat no final do filme para nós percebemos que com esse tipo de politica NUNCA iremos chegar ao carequinha dourado ...

Se esse filme for indicado ... isso prova que a coisa tá ruim em todos os lados ...

 
At 7:59 PM, outubro 04, 2009, Anonymous Kamila said...

Andréa Beltrão é, de fato, grande atriz, mas quem manda nesse filme é a Denise Weinberg, que está sensacional. No geral, achei este longa muito sem coragem! Não vamos ser indicados ao Oscar 2010!

Beijos!

 
At 9:45 PM, outubro 04, 2009, Anonymous Alex Gonçalves said...

Otavio, também considero Andréa Beltrão uma grande atriz, a minha favorita dentro do nosso país. E é exatamente por ela que verei "Salve Geral". E compreendi as razões de você ter ficado descontente com o resultado do filme, mas este trabalho de Sérgio Rezende parece estar sendo apedrejado pelo público e crítica pela mesma razão do "Última Parada 174", do Bruno Barreto: a vaga que conquistou para representar o Brasil no Oscar, que desagradou a maioria que imaginava ver outro filme na briga.

 
At 1:31 PM, outubro 05, 2009, Blogger Victor Nassar said...

Vixi maria...

 
At 1:45 PM, outubro 05, 2009, Blogger Mayara Bastos said...

Nossa! Então não vinga mesmo???? Ainda acho que "À Deriva" poderia representar o nosso país por uma vaga, mas nem selecionado ele foi. Uma pena!

Beijos! ;)

 
At 8:19 PM, outubro 05, 2009, Blogger Bruno Soares said...

É muito tosco. Só a Beltrão se salva. Aliás, o resto do elenco é hilário de tão ruim.

 
At 11:20 AM, outubro 06, 2009, Anonymous Renan said...

Me pergunto porque eles sempre escolhem esse tipo de filme para representar o Brasil lá fora. Já achei um absurdo Tropa de Elite ter ganho premiações importantes. Mas claro que quero conferir Salve Geral assim que ele estreiar por aqui, para ver se o Brasil tem chance no Oscar

 
At 6:09 PM, outubro 06, 2009, Blogger Otavio Almeida said...

Galera, não deu! Sou brasileiro, mas não salvei geral não!

Abs, e obrigado a todos!

 

Postar um comentário

<< Home