sábado, julho 18, 2009

Harry Potter e o Enigma do Príncipe


As coisas defitivamente mudaram em Hogwarts. O sexto ano de Harry Potter (Daniel Radcliffe, cada vez melhor) e seus amigos na escola de magia será marcado pelo primeiro em que todos ali sabem do retorno do Lorde das Trevas, Voldemort (Ralph Fiennes, que não aparece neste filme). O negócio é ficar 100% atento às ameaças dos Comensais da Morte, o exército de Você-Sabe-Quem. No episódio anterior, A Ordem da Fênix, Potter treinou seus amigos na arte da magia e formou a Armada de Dumbledore para enfrentar Voldemort. Então chegou a hora de lutar, certo? Errado! Com seus hormônios explodindo, os jovens bruxos querem saber mais de paquerar do que estudar. Até aí, tudo bem. Normal. Mas eles também não dão a mínima para Voldemort e sua trupe. Enfim, não acontece nada em Harry Potter e o Enigma do Príncipe (Harry Potter and the Half-Blood Prince, 2009). Absolutamente nada. Só tédio e enrolação durante duas horas e meia de filme.

Ok. Fui injusto. Enquanto todo mundo só quer, só pensa em namorar, o professor Dumbledore (Michael Gambon, ótimo) investiga uma pista sobre o passado de Voldemort, que pode apontar o caminho para a vitória das forças do bem. Para isso, ele pede ajuda a Harry Potter, que precisa se aproximar do professor Horace Slughorn (o sempre competente Jim Broadbent). Dumbledore acredita que seu velho colega de profissão tem essa valiosa informação a respeito do Tinhoso, Cão, Bafo de Enxofre, Belzebu... Você-Sabe-Quem.

Mas essas cenas não tomam tanto tempo do filme quanto às investidas amorosas da garotada em bailinhos e a ciumeira da mulherada. Claro, você leu o livro e sabe que O Enigma do Príncipe tem uma traição e uma morte no final, que abalam as estruturas de Hogwarts. Se não leu, também irá ao cinema sabendo, porque nesta altura do campeonato alguém já te contou. Mas acredite se quiser: os namoricos conseguem ser mais interessantes e divertidos do que qualquer cena tensa ou dramática de tamanha importância para o desenvolvimento da saga rumo ao seu clímax, em Harry Potter e as Relíquias da Morte.

Veja bem: Eu estou falando de cinema como arte, mas se a intenção é fazer da série do bruxinho uma concorrência de peso para os vampiros de
Crepúsculo, a conversa é outra. Estratégias de mercado à parte, como cinema, O Enigma do Príncipe consegue ser o mais fraco de todos os seis filmes até aqui.



Até as cenas de ação não valem o ingresso. Simplesmente porque elas não estão em Harry Potter e o Enigma do Príncipe. Veja alguns exemplos (não entrego nada essencial, portanto não tenha medo de ler): Numa cena, os Comensais da Morte chegam aos arredores da Toca, a casa da família Weasley, e atraem todo mundo pra fora só pra queimar o local. Até entendo que Harry tenha medo dos vilões do filme, pois ainda é um menino, mas nada justifica a cara de dor de barriga nos adultos membros da Ordem da Fênix, assustados que nem cachorrinho em noite de ano novo. Papelão, hein! Mas será que toda a maldade dos Comensais da Morte se resume a algazarras? Pelo menos, o filme não desenvolve esse lado dos inimigos de Potter.

Mais: No final, o livro apresenta uma batalha em Hogwarts entre as forças do bem e do mal. Isso não acontece no filme. Ok, mudanças são necessárias numa adaptação. Mas, Sr. David Yates, já não acontece nada neste filme, e quando algo se aproxima para acordar a plateia que não leu os livros, você interrompe todo o tesão? Cadê a tal da Armada de Dumbledore numa hora dessas? Dormindo?
Os caras gastaram vários minutos do filme anterior treinando numa sala secreta pra nada? É brincadeira, amigo! Parece que a trama inteira de O Enigma do Príncipe é apenas uma preparação para emocionar quem chora fácil em final de filme. Houve confiança demais no que acontece no fim do livro, que é bem triste, diga-se de passagem, mas não vale a nossa preciosa poupança sentada na cadeira do cinema por mais de duas horas.

Sem falar que gasta-se tanto tempo com os bruxinhos "ficando" pelos corredores de Hogwarts, que o mais importante para o andamento da história acaba sofrendo com buracos no roteiro. Prova disso é a cena em que Dumbledore descobre o tal segredo sobre Voldemort, precisando partir em busca das Horcruxes. O filme diz que são sete ao todo e parece que o Gandalf de Hogwarts já sabia de suas existências. Aliás, ele tem duas delas em sua gaveta. Mas não seria mais honesto com a nossa inteligência cinéfila se Dumbledore começasse a perseguir as Horcruxes logo após descobrir o segredo? E como Harry encontrará as Horcruxes no próximo filme se ele não conhece seus formatos? Enfim, quem leu o livro não liga para esses problemas. Mas quem não leu, primeiramente, deve estar se perguntando: "O que são Horcruxes?" Você vai ver, mas saiba que o filme se aproxima da meia hora final quando isso é revelado. Como parte de uma série, a impressão é que Harry Potter e o Enigma do Príncipe existe só para explicar o que são as tais Horcruxes. Em literatura, ok. Mas em cinema? Minha avó já dizia: "Dai-me paciência!"



Ora bolas, a culpa não é de J.K. Rowling, a autora dos livros. Se ela escreveu sete ou mil exemplares só para chegar num último volume, o cinema não pode usar isso como desculpa. Cinema é cinema. Literatura é literatura. As linguagens não se misturam. O que é chato na tela, pode funcionar no livro. A culpa é do estúdio, do produtor da série, David Heyman, do diretor David Yates, e, talvez de J.K. Rowling, que não entende nada de cinema e age como a dona da história preocupada em garantir suas páginas na telona.

Mas é preciso ser justo: A direção de arte é magnífica, assim como a fotografia e os efeitos visuais. É uma produção de encher os olhos no aspecto técnico. Os atores também são sensacionais. Os novos e os velhos. Mas, ei, você já sabia disso, afinal vimos cinco filmes antes de O Enigma do Príncipe. No fim, sabemos que, apesar dos pesares, Harry Potter não está sozinho nesta luta. Seus amigos estão lá e ele é ajudado o tempo inteiro. É um herói que não faz nada sozinho. NADA! Mas isso você também já sabia.

Pelo menos, o fim da série está chegando. Vamos ver se David Yates & Cia. fazem alguma coisa desta vez. O pior é que Harry Potter e as Relíquias da Morte, o último livro, foi dividido em dois filmes. Hmm... Isso quer dizer que não acontece nada na Parte I?


Harry Potter e o Enigma do Príncipe (Harry Potter and the Half-Blood Prince, 2009)
Direção: David Yates
Roteiro:
Steve Kloves (Baseado no livro de J.K. Rowling)

Elenco:
Daniel Radcliffe, Michael Gambon, Jim Broadbent, Rupert Grint, Emma Watson, Helena Bonham Carter, Alan Rickman, Tom Felton, Bonnie Wright, Jessie Cave

14 Comments:

At 5:55 PM, julho 18, 2009, Blogger João Vicente Nascimento Lins said...

Otávio, posso ter q aprender sobre atuações novamente, mas dos 3 personagens principais sempre achei que o interprete do Harry era o mais fraco, não consigo ver uma boa atuação no Radclife!

 
At 6:44 PM, julho 18, 2009, Blogger Johnny Strangelove said...

A cada ano que se passa percebo uma coisa ... ainda bem que nao gasto dinheiro e tempo com os filmes do Harry Potter ...

Perdao amigo ...

 
At 6:46 PM, julho 18, 2009, Blogger Guilherme said...

Dumbledore já sabia da existência das horcruxes, o que ele confirma com o pensamento de Slughorn é o número delas.

 
At 7:24 PM, julho 18, 2009, Blogger Bruno Soares said...

É, já tinha ouvido falar desse marasmo. Em um filme de 2 horas e meia isso é bem preocupante.

Mas preciso ver o filme ainda.

 
At 10:31 PM, julho 18, 2009, Blogger altieres bruno machado junior said...

Olá Otávio

Me decepcionei bastante com o filme, pois muitas dessas cenas importantes que vc falou foram cortadas. O que o guilherme falou é verdade, Dumbledore já sabia da existência das Horcruxes só não sabia a quantidade. E no livro ele fala com o Harry o que poderia ser as Horcruxes e no filme isso não acontece. Quero ver como o Harry vai se virar no próximo filme sem essa revelação (como ele vai procurar uma coisa que não sabe). A morte daquele personagem é bem emocionante mesmo, também senti falta da luta final entre os membros da AD com os comensais da morte e o enterro desse personagem importante, que é bem mais emocionante no livro do que sua própria morte.

Abraços e até mais.

 
At 10:51 PM, julho 18, 2009, Blogger Amenar Neto said...

Discordei muito de ti agora. Pra mim é o filme que mais tem "grandiosidade cinematográfica" de todos. Concordo que eles estão cozinhando um pouco os espectadores, mas, digo por mim, quem não adora esse clima de "o pior está por vir"?

 
At 12:33 PM, julho 19, 2009, Blogger john said...

realmente um filme decepcionante, principalmente pela ausencia de um climax, o momento que todos esperavam simplesmente não aconteceu da maneira correta. eu não li o livro,e quando pensei que tudo ia esquentar, o filme acabou. é um longa apenas com atributos tecnicos.

Otima critica
abraçus

 
At 3:31 PM, julho 19, 2009, Blogger Airton said...

opaaa
legal a critica eu nem gosto mto de harry potter...hehe
de uma chegada no blog publicando...tem coisa de cinema e publicidade

 
At 7:14 PM, julho 19, 2009, Anonymous Kamila said...

Apesar dos problemas de roteiro (acho que a trama do Draco Malfoy foi mal direcionada), adorei esse filme. Desde "O Prisioneiro de Azkaban" que não gostava tanto de um filme da série.

Beijos!

 
At 8:55 PM, julho 19, 2009, Anonymous Vinícius P. said...

Puxa, as opiniões em relação a esse filme realmente estão divididas, realmente não sei o que pensar. Espero ver o mais rápido possível - se não fosse um problema nos cinemas de minha cidade...

 
At 10:01 PM, julho 19, 2009, Anonymous Gustavo H.R. said...

É por essas e outras que as versões cinematográficas de POTTER nunca me atiçaram o apetite (vi só o primeiro). Tens razão ao bater na J.K. Rowling, que é tão defensiva de seus livros, atrapalhando as adaptações necessárias.

 
At 11:41 PM, julho 19, 2009, Blogger Mayara Bastos said...

Eis um filme esperado por todos, e eu não tenho entusiasmo para ver. Não sei por que! rsrsrsrs.

 
At 11:44 AM, julho 20, 2009, Blogger Otavio Almeida said...

Dumbledore para Harry Potter: "There's something going on, Harry... But not in this movie!"

 
At 4:23 PM, agosto 13, 2009, Anonymous Combo Sete said...

Eu entendo a decepção por não acontecer a tão esperada batalha em Hogwarts com os membros da AD e os Comensais da Morte. Mas o corte dessa sequência não me chateou pois preparou o clima para a batalha do último filme, que deve compensar essa falta. Foi uma decisão acertada para não deixar a trilogia final repetitiva.
David Yates já declarou que muitos elementos que ficaram de fora do sexto filme entrarão em relíquias da Morte Part I. No geral eu gostei muito do filme, mas a parte das Horcrux realmente ficou devendo muito.

 

Postar um comentário

<< Home