quinta-feira, setembro 03, 2009

Loucos pela Pixar, Uni-vos!

O papel da Pixar Animation Studios no desenvolvimento da cultura e da educação do aspirante à cinéfilo


Todo mundo erra: o pai, a mãe, o irmão, a irmã, o namorado, a namorada, os avós, o cachorro, o Rubinho Barrichello, os amigos, o entregador de pizza, o time de futebol, os tios, o vizinho, os primos, o Sarney, o árbitro, o bandeirinha, o chefe, o assistente, o garçom, as contas (luz, água, telefone, gás), o Christian Bale e tantos outros. Até Steven Spielberg, Woody Allen, Garrincha, Zico, Pelé, Maradona, Zidane e John Lennon já erraram. TODOS! Menos a Pixar.

Com a equipe do John Lasseter, cabeça da Pixar Animation Studios, eu abuso do direito de ser parcial e irracional. Até porque Toy Story (1995), Vida de Inseto (1998), Toy Story 2 (1999), Monstros S.A. (2001), Procurando Nemo (2003), Os Incríveis (2004), Carros (2006), Ratatouille (2007) e WALL-E (2008) me deixaram com a plena consciência de ser tendencioso. Meu filho aprenderia muito mais com esses filmes do que indo à escola.

Ora, ele aprenderia a amar o cinema, afinal cada filme da Pixar evolui em técnica, mas remete aos grandes clássicos da sétima arte em referências e, principalmente, influências narrativas. É uma aula de como se deve assimilar história, arte, cultura. A Pixar quer fazer o público atual entender ou lembrar o que realmente significa o cinema. Veja pelo paradoxo de WALL-E, que joga sua história e seus truques visuais e sonoros no futuro, mas que carrega uma alma Chapliniana num robozinho. Meu filho também aprenderia a ser humilde, já que não importa se o filme anterior do estúdio foi um grande sucesso de público e crítica. O próximo passo da Pixar consiste na superação daquilo que já foi feito pelas mãos e mentes de seus artistas.


Ok, você vai lembrar que Toy Story 3 está a caminho, mas não acuse a Pixar de pensar somente na grana. Bombardeados por Michael Bays e Roland Emmerichs que só sabem repetir seus papos chatos e barulhentos, nós ficamos mesmo acostumados a cornetar cada projeto novo. A culpa não é nossa. É de Hollywood. A jovem mídia atual viciada na ditadura do pop também tem culpa no cartório. Esse pessoal não aguenta ver uma produção voltada para o público chegando com um selo estampado de uma marca como a Disney gritando aos quatro cantos do mundo uma historinha completamente nova. Nada que tenha vindo de livros, quadrinhos, séries ou desenhos da TV merece a confiança desses mal intencionados disseminadores da palavra.

São os mesmo seres que julgam um filme por um trailer ou que chamam uma ficção científica com um baita potencial de "mistura de Thundercats com Dança Com Lobos". Essa gente desdenha daquele trailer que traz um ratinho falante cozinhando em Paris e avacalha um robozinho que tem cara de Johnny Five, antes mesmo de sua chegada aos cinemas. Ou dizem que a aventura de um velhinho de bengala numa casa que voa com a ajuda de balões é uma senhora bobagem. São falsos intelectuais que preferem julgar um filme por seu material original (como um livro ou uma HQ) e não de acordo com seus reais conhecimentos em cinema.

São opiniões do tipo "não comi e não gostei porque eu queria ir em outro restaurante", que fazem o lixo continuar girando e se espalhando por Hollywood, que ouve (e sabe) o que seu público quer. Você vai acreditar nessas pessoas? Ou vai aproveitar obras de artistas que pensam em ideias e histórias inéditas? Claro, eles podem não acertar sempre, afinal são humanos. Mas se tem alguém fazendo algo de bom pelo cinema, certamente não é aquele cara procurando no fundo do armário por qualquer gibi mofado capaz de inspirar um filme, que provavelmente cairá nas mãos de um diretor Zé Ninguém, só para que a produção veja a luz do dia e fature alto nas bilheterias.

Gosto não se discute, mas desconfie daqueles que tentam induzi-lo ao coma cultural. Experimente antes de dizer que não gostou da comida. Nos dias de hoje, precisamos valorizar quem estimula a qualidade (e não quantidade) na cultura.


Com a Pixar, você pode até preferir Procurando Nemo a Toy Story. Ratatouille a WALL-E. Tanto faz. É pessoal. Agora, admita: quando foi que a Pixar fez um filme ruim? Suas produções podem trocar de diretores, mas o padrão permanece e ainda conseguem quebrar barreiras rumo ao futuro da sétima arte, embora jamais esqueçam dos principais (e básicos) elementos que sempre levaram o grande público aos cinemas desde E o Vento Levou. Hoje, ainda vemos filmes por causa dos artistas. Ainda saímos do aconchego de nossas casas para ver Steven Spielberg, Martin Scorsese, Woody Allen, Quentin Tarantino, Brian De Palma e... a Pixar.

Os criadores de Toy Story & Cia. são fãs de Mickey Mouse e Branca de Neve, mas andam formando jovens seguidores da criação dos irmãos Lumiére, que por causa desses títulos, resolvem pesquisar, conhecer os filmes que incentivaram a Pixar a chegar até aqui.

Transformers 2
e G.I.Joe são para aqueles que usam o cinema para brincar. WALL-E e Ratatouille são para os filhos daqueles que aprenderam a amar os filmes graças aos maiores diretores que já pisaram neste planeta. Então, loucos pela Pixar, uni-vos! Chegou a hora de passar adiante o que realmente vale a pena ser ensinado.

"Sem a cultura e a liberdade relativa que ela pressupõe, a sociedade, por mais perfeita que seja, não passa de uma selva. É por isso que toda a criação autêntica é um dom para o futuro." (Albert Camus)

Que Up não me desaponte depois dessa...

18 Comments:

At 12:33 AM, setembro 04, 2009, Blogger Marcus Vinícius said...

Concordo com cada letra do texto. O quinto parágrafo disse tudo. Vamos nos unir sim! =D

Abrásss

 
At 12:45 AM, setembro 04, 2009, Blogger Bruno Soares said...

Amanhã vou acordar com um sorriso cinéfilo no rosto.

 
At 6:32 AM, setembro 04, 2009, Blogger anareis said...

Querido(a) novo(a) amigo(a),estou precisando muito da ajuda de todos os amigos. estou montando uma minibiblioteca comunitária pra crianças e adolescentes na minha comunidade carente aqui no Rio de Janeiro,se voce puder me ajudar estou fazendo uma campanha de doações. pode doar qualquer quantia no Banco do Brasil agencia 3082-1 conta 9.799-3, ou pode doar livros ,ou pode doar máquina de costura, ou pode doar retalhos, ou pode doar computador usado. se quizer fazer aguma doação entre em contato com meu email: asilvareis10@gmail.com ,eu darei o endereço de remessa. se voce não puder me ajudar com doações pode divulgar minha campanha, tenho 2 blogs no google gostaria da sua visita: Eulucinha.blogspot.com ,obrigado pela sua atenção

 
At 11:34 AM, setembro 04, 2009, Blogger Carlos Vinícius said...

Genial como a Pixar, Otávio.

"Chegou a hora de passar adiante o que realmente vale a pena ser ensinado."

Amém.

 
At 12:47 PM, setembro 04, 2009, Anonymous Denis Torres said...

What a statement! Depois dessa eu quero que UP me jogue lá em cima, nas nuvens... Abs!

 
At 2:34 PM, setembro 04, 2009, Blogger Mayara Bastos said...

Belíssimo especial! Parabéns. A Pixar realmente nunca errou em detalhe nenhum de suas produções e é uma empresa que mostra o amor que sentem pela sétiama arte. Sempre saio emocionada e com um sorriso enorme no rosto quando vejo uma produção deles. rsrsrs. ;)

 
At 4:51 PM, setembro 04, 2009, Anonymous Charles said...

Olá Otávio. O que dizer, mas outro belo texto, esse sobre a mais competente turma de cinema da atualidade. A Pixar é fora de série, não há um projeto ruim que saia da mente desses caras. E o melhor de tudo é que são pessoas apaixonadas pelo que fazem.

abs.

 
At 7:10 PM, setembro 04, 2009, Anonymous Kamila said...

A Pixar, realmente, ainda tem que cometer um equívoco. Acho que ela chegou bem perto em "Carros", mas o filme ainda consegue ser superior do que muita obra por aí. São eles, hoje, que fazem o cinema de melhor qualidade, nos Estados Unidos. Acho que é questão de tempo até eles chegarem ao Oscar principal!

Beijos!

 
At 10:02 PM, setembro 04, 2009, Blogger Johnny Strangelove said...

Te digo qual foi o(s) filmes ruins da Pixar ... Ratatouille e Procurando Nemo ... esses NAO DESCEM MESMO ...


Mas a Pixar voltou a ser top com o neo-classico UP!
Abraços amigo

 
At 12:14 AM, setembro 05, 2009, Anonymous Vinícius P. said...

"Que Up não me desaponte depois dessa...", exatamente, hahahaha. Belo texto, Otavio, acho que é bem isso mesmo que você falou. Por enquanto a Pixar nunca me decepcionou, não acho que será agora.

 
At 6:06 AM, setembro 05, 2009, Blogger Roberto F. A. Simões said...

1º Aniversário do CINEROAD!
O seu blogue recebeu uma menção especial!

Obrigado pelas visitas,
Roberto Simões
CINEROAD - A Estrada do Cinema

 
At 8:05 PM, setembro 05, 2009, Blogger Kau Oliveira said...

Tudo o que eles fizeram é, no mínimo, correto. Nemo e Toy Story são obras-primas!!! E espero que UP tb seja.

Abs!

 
At 9:18 PM, setembro 05, 2009, Anonymous Gustavo H.R. said...

Fico de fora dessa união, por não ser louco pela Pixar. ;)

 
At 6:03 PM, setembro 07, 2009, Blogger •. Cℓєвєя! . - said...

somente obras-prima!

 
At 10:09 PM, setembro 07, 2009, Blogger ricardo martins said...

Melhor que a Pixar não existe
porem Transformers 2 nao entendi o que você quiz dizer que usam o cinema para brincar?

 
At 3:04 PM, setembro 08, 2009, Blogger Jonathan Rodrigues said...

texto lindíssimo, muito inspirador

eu como fã de animação e da Pixar e como alguem que pretende seguir pelo ramo fiquei muito feliz em ter lido

parabens

 
At 3:10 PM, setembro 08, 2009, Blogger Jonathan Rodrigues said...

foi lindo ver monstros S/A estampando o post ja que foi praticamente o filme que me iniciou na cinefilia

 
At 5:27 PM, setembro 11, 2009, Blogger Dewonny said...

A Pixar sem dúvida é a melhor coisa q surgiu ultimamente no cinema, fico sempre encantado e maravilhado com as animações produzidas!
Os Incríveis, Wall-E e agora Up são as minhas 3 favoritas, fora outras ótimas, todas acima da média!
Vida longa a pixar, excelente post e excelente análise, assino em baixo!
Abs! Diego!

 

Postar um comentário

<< Home