segunda-feira, dezembro 03, 2007

A Lenda de Beowulf


A foto acima não representa um jogo do Playstation 2 ou do XBOX. É uma cena do épico digital A Lenda de Beowulf (Beowulf, 2007), que prova três coisas: 1) Atores de carne e osso ainda são essenciais, 2) O diretor Robert Zemeckis já soube aproveitar a sua criatividade, e 3) Cinema não é video game.

Vendo agora o que o cinema representa para Robert Zemeckis, que marcou minha infância com a trilogia De Volta Para o Futuro, eu me encho de uma profunda tristeza. Quem costuma dizer que "tal filme só vale pelos efeitos visuais", talvez nunca tenha imaginado onde a brincadeira iria chegar um dia. É isso mesmo. Zemeckis fez De Volta Para o Futuro, Uma Cilada Para Roger Rabbit, Forrest Gump, Náufrago e hoje brinca com o cinema, seu playground digital.


Não sei o que passou na cabeça dele ao fazer O Expresso Polar e Beowulf com atores servindo de cobaias para criar video games na tela do cinema. Só que o público não tem joystick. Dessa vez, ele adaptou um dos contos mais antigos da língua inglesa com a ajuda dos roteiristas Roger Avary e Neil Gaiman. Em A Lenda de Beowulf, o reino de Hrothgar (Anthony Hopkins ou algo assim) sofre ataques carniceiros do monstro Grendel (Crispin Glover, o saudoso George McFly, da trilogia De Volta Para o Futuro). Surge o guerreiro Beowulf (Ray Winstone) para eliminar a criatura. Só que ele ainda não sabe que a mãe de Grendel (Angelina Jolie) é mil vezes mais perigosa.

Não entrego detalhes da trama, mas Zemeckis até que constrói seqüências de ação um tanto nervosas no primeiro ato do filme. Quando Beowulf encontra a mãe de Grendel, chega a hora do segundo ato para lá de sonolento e é aí que mora o grande erro: Zemeckis está tão encantado com o motion capture e como ele pode brincar com seu computador ao explorar a profundidade de campo, que esqueceu de contar uma boa história.

Tudo bem que é um conto medieval famoso, mas ele esqueceu de bons diálogos e de colocar uma narrativa ágil à serviço da trama. Conhecer a saga de Beowulf é uma coisa. Contá-la na tela grande com eficiência é outra. Zemeckis só se empolga nas cenas de ação, mas isso não é o bastante. Principalmente na segunda metade, quando a história fica chata (por falta de outra palavra), nós prestamos mais atenção aos cadáveres animados de Zemeckis. Os olhos de Beowulf & Cia. não têm vida.

O que Peter Jackson fez com o Gollum de O Senhor dos Anéis, e com o gorilão de King Kong é algo completamente diferente. E olha que tem gente que ainda torce o nariz para o trabalho fenomenal de Jackson. Em Piratas do Caribe, de Gore Verbinski, a técnica utilizada para criar o vilão Davy Jones também não pode ser comparada aos "monstros" de A Lenda de Beowulf. A intenção é outra (e mais convincente). Tanto Davy Jones quanto Gollum e Kong possuem "vida". O único personagem do "filme" de Zemeckis que justifica o motion capture é Grendel. Pergunto: Qual é o sentido de digitalizar a imagem de Angelina Jolie para gerar na tela a própria Angelina Jolie?

Aliás, eu fui enganado. Aquela não é Angelina Jolie. Dizem que ela aparece nua, mas quem me garante que aquilo ali é o corpo dela? O próprio Ray Winstone tem 50 anos de idade e um barrigão. Ele se transformou no fortão nórdico Beowulf. Enfim, são detalhes que eu até deixaria de lado se Zemeckis se preocupasse em contar uma história envolvente, emocionante. Até que ele sugere uma premissa interessante: o herói Beowulf pode ser um grande mentiroso, suas glórias do passado talvez não passem de meros contos para vender sua imagem e a presença de Angelina Jolie vem para mostrar que a mulher é a ruína do homem. Mas somente uma ou duas idéias não seguram um filme inteiro.

A Lenda de Beowulf
é um videogame sem graça ou um filme sem vida. Se você gosta de Playstation 2, compre God of War I e II. Jogue até o fim, porque é muito mais emocionante do que o filme de Robert Zemeckis. Mas não tem nada não. Ainda tenho fé no cinema. Mesmo aquele cinema cheio de efeitos digitais, mas que coloca o roteiro na frente de qualquer coisa. Pegue Steven Spielberg. Ele já afirmou que Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal não será um festival de efeitos digitais e vai honrar a série. E o que dizer das animações da Pixar? É... Ainda tenho fé no cinema. Até no digital.

A Lenda de Beowulf (Beowulf, 2007)
Direção: Robert Zemeckis
Roteiro: Neil Gaiman e Roger Avary
Elenco: Ray Winstone, Angelina Jolie, John Malkovitch, Anthony Hopkins, Robin Wright Penn, Crispin Glover e Brendan Gleeson

13 Comments:

At 10:07 AM, dezembro 04, 2007, Blogger Museu do Cinema said...

Esse filme eu passo longe, engraçado, vi o trailer e aquela parte que ele grita: EU SOU BEOWULF! Fiquei com a imprensão que iria aparecer o Didi e falar: Nossa santa!

 
At 10:12 AM, dezembro 04, 2007, Blogger Kamila said...

Suas ressalvas em relação a este filme foram as mesmas que as minhas. Achei que o filme, como um todo, foi bom - as cenas de ação são legais e a condução da trama é boa. Mas, o que me incomodou muito foi a impassividade no rosto dos personagens. Felicidade, apreensão, nervosismo, tensão eram todas representadas com o mesmo olhar sem vida. Ajeitando isso, talvez esse experimento do Zemeckis comece a ser uma boa alternativa para o cinema.

 
At 10:46 AM, dezembro 04, 2007, Blogger Otavio Almeida said...

É, Cassiano. E tem uma hora em que ele luta pelado e a câmera esconde "as partes íntimas" dele. É igualzinho ao Austin Powers... esqueci de comentar isso na crítica.

Sei não, Kamila. Acho que o Peter Jackson experimentou isso e foi bem-sucedido em O SENHOR DOS ANÉIS, tanto que virou um grande chapa de James Cameron, que vai utilizar os recursos da Weta Digital em AVATAR. Mas são dois diretores que não dispensam atores. Nem mesmo o tão criticado George Lucas nos novos STAR WARS. Já o Zemeckis, tenho respeito por ele por causa da minha infância. E vc tem razão: os atores desse filme são "Ciganos Igors" digitais.

:)

 
At 1:42 PM, dezembro 04, 2007, Anonymous Wally - Cine Vita said...

Eu gostei do filme. Com certeza não é nenhuma revolução e o Zemeckis analógico é bem melhor, mas como O Expresso Polar, essa animação tem certa magia e um tom envolvente dificil de resistir. Eu gostei dos personagens, de como a trama foi delineada e o filme me decepcionou apenas em alguns detalhes dos quais você mesmo mencionou, como a falta de vida nos personagens, que mais parecem ter sido capturados por alienígeneas. Fora isso, achei uma sessão bem satisfatória. Claro, acho que a verdadeira intenção de Zemeckis era funcionar em 3-D, e nesse caso, o filme deve ter soado mais adrenalínesco.

Daria 3 estrelas.

Ciao!

 
At 2:30 PM, dezembro 04, 2007, Blogger Otavio Almeida said...

Wally, prefiro a festa digital de 300. É discutível, mas é cinema. E o Leônidas (Gerard Butker) gritando "THIS IS SPARTA!" é mais legal do que o grito do Ray Winstone ("I AM BEOWULF!").

Ah! Falei de O EXPRESSO POLAR... não sei mesmo pq Robert Zemeckis fez o filme daquele jeito, mas eu gosto da história. Já esse BEOWULF...

Abs!

 
At 6:32 PM, dezembro 04, 2007, Blogger Vinícius P. said...

Puxa, é tão ruim assim? Geralmente gosto muito dos trabalhos do Zemeckis e adorei "O Expresso Polar", aliás é um dos meus 'filmes de Natal' favoritos. Quanto a esse "Beowulf" estou em dúvida, afinal ninguém parece ter gostado muito do filme.

Abraço!

 
At 6:44 PM, dezembro 04, 2007, Blogger Otavio Almeida said...

Vinicius, eu não gostei. Mas a Kamila e Wally, sim. O OMELETE adorou, enquanto o Merten, do Estadão, achou horroroso. É a vida...

Aliás, acho que eu já disse isso... é até engraçado, mas não consigo gostar dos filmes da Angelina Jolie. Ela é linda, mas não gosto das escolhas dela.

Abs!

 
At 7:10 PM, dezembro 04, 2007, Blogger Otavio Almeida said...

Até me dizem que o filme precisa ser visto em 3D... mas cara, isso não pode ser cinema...

 
At 2:20 PM, dezembro 05, 2007, Anonymous Wally - Cine Vita said...

Realmente, cinema não é algo feito sob encomenda para ser visto em 3-D.

Isabel Boscov da Veja, odiou o filme também.
Pablo Villaça gostou.

hehe

Otavio, você viu O Bom Pastor?? O que achou?

 
At 3:58 PM, dezembro 05, 2007, Blogger Otavio Almeida said...

Oi Wally. Ainda não vi O BOM PASTOR. Recomenda?

Sei que dividiu opiniões...

Abs!

 
At 1:44 PM, dezembro 06, 2007, Blogger Romeika said...

Me deu a louca e fui ver esse filme ontem. Apesar de nao ter odiado tanto quanto vc, concordo em todos os pontos negativos que vc tocou. E CLARO que aquilo nao eh Angelina Jolie, talvez soh a molecada nerd acredite rsrsrs..

 
At 1:48 PM, dezembro 06, 2007, Blogger Otavio Almeida said...

Hahahahahhaha... é verdade, Romeika! Se eu tivesse 10 anos, eu teria acreditado!

Bjs!

 
At 10:43 AM, janeiro 08, 2008, Blogger Rafael said...

Eu gostei do filme como diversão.
engraçado que até eu entrar na sala do cinema eu jamais imaginava que o filme era todo digital, foi aí que levei um susto e vi que o filme virou um vídeo-game de luxo.
Os efeito especiais são muito bons, mas falta mesmo a alma do ator, emoção nos rostos dos personagens.
É um filme sobre uma obra literária antiga da lingua inglesa que foi adaptado pros adolescentes que não querem ver nada além de pancadaria e curtir jogos de RPG.
Não dá pra se afirmar se o filme é bom ou não, depende da perspectiva.Abraços, Otávio!

 

Postar um comentário

<< Home