domingo, dezembro 02, 2007

O Preço da Coragem


Alguns críticos não consideram atores com performances contidas. Por exemplo, Joaquin Phoenix jamais tem uma cena específica em que ele solta um grito ou chora copiosamente em Os Donos da Noite. Ele só sugere com o olhar, tem postura e nunca vem aquele momento de explosão. Sua atuação é maravilhosa, mas dificilmente será reconhecida no Oscar. Em O Preço da Coragem (A Mighty Heart, 2007), dizem que Angelina Jolie tem a melhor atuação de sua carreira. O que não é difícil - até porque ela só faz bomba. Mas se não fosse por uma única cena (quando ela se tranca num quarto para berrar de forma ininterrupta), seu "talento" não seria reconhecido pelos "especialistas".

Devo admitir que o estilo de filmar do diretor Michael Winterbottom não me agrada. A câmera é fria ao acompanhar o desenvolvimento da ação de longe, sem envolvimento. É um procedimento de representação documentária, que corre contra o cinemão, mas ele não foi o primeiro e nem será o último diretor independente a filmar assim. Enfim, qualquer cena que poderia gerar emoção é vista com muita distância. Engajado, Winterbottom, pelo menos, não se vende à indústria e continua com seu cinema político.

Como 90% do público que vai ao cinema para ver O Preço da Coragem já sabe o final da história, Winterbottom poderia ter narrado os acontecimentos com mais intimidade, emoção. Titanic, Apollo 13 e Uma Mente Brilhante são exemplos de filmes que todo mundo sabia como iria acabar, mas a narrativa é dramática, envolvente. Quando Steven Spielberg filmou Munique, ele optou por contar as conseqüências do ataque terrorista nas Olimpíadas de 1972. Se Winterbottom queria manter distância de O Preço da Coragem, ele deveria ter seguido o caminho de Spielberg, em Munique.

O filme pode ser frio, mas sua proposta é ser tenso. Só que nem a tensão é eficiente, porque volta e meia, lembramos que essa é a história do jornalista Daniel Pearl (interpretado por Dan Futterman), jornalista do Wall Street Journal seqüestrado por membros da Jihadi no formigueiro da cidade de Karachi, no Paquistão. Baseado no livro de memórias de sua esposa, Mariane Pearl (Angelina Jolie), o filme se concentra nas investigações do paradeiro do jornalista. A maioria sabe como isso acabou. Se a intenção é homenagear a coragem dos jornalistas, já vi coisa melhor. Se é para pegar exemplos recentes, fico com O Informante e Boa Noite e Boa Sorte.

O problema de O Preço da Coragem não é necessariamente filmar com a câmera tremendo ou com uma fotografia "suja". Fernando Meirelles fez algo semelhante em O Jardineiro Fiel, mas se preocupou em desenvolver drama e suspense para envolver o espectador. O cinema não é feito só de belas imagens. Se fosse assim, O Assassinato de Jesse James Pelo Covarde Robert Ford seria um filmaço. Mas não dá para contar uma história como O Preço da Coragem de maneira fria. É mais emocionante assistir aos fatos pela CNN.

O Preço da Coragem
(A Mighty Heart, 2007)
Direção: Michael Winterbottom
Roteiro: John Orloff (Adaptado do livro de Mariane Pearl)
Elenco: Angelina Jolie, Archie Panjabi, Irfan Khan, Denis O'Hare, Will Patton, Dan Futterman e Gary Wilmes

5 Comments:

At 2:57 PM, dezembro 02, 2007, Blogger Kamila said...

Vou assistir a este filme nesta semana, por isso, Otavio, deixarei para ler o seu texto após o mesmo. :-)

Beijos.

 
At 3:08 PM, dezembro 02, 2007, Anonymous Wally - Cine Vita said...

Seu texto me deixou menos empolgado pelo filme, que não estreiou aqui. Você já viu O Caminho Para Guantanamo?? É elogiado por muitos, mas acho apenas um trabalho legal, visto que Winterbottom se sai péssimo na parte dramática, com encenações muito mal feitas e péssimos atores. Seu longa funcina na parte documental, urgente e chocante. Só. Por isso, não esperava nada além de um bom filme com O Preço da Coragem, mas admiro Jolie bastante em certos papéis onde se esforça, e por isso, verei o filme com certa ansiedade.

Ciao!

 
At 3:12 PM, dezembro 02, 2007, Blogger Otavio Almeida said...

Ok, Kamila! Depois conversamos sobre o filme.

Wally, eu vi O CAMINHO PARA GUANTANAMO e não gosto desse tipo de cinema. Achei que Michael Winterbottom, em O PREÇO DA CORAGEM, continuaria com seu cinema político, mas com um pouco mais de proximidade, cumplicidade com seus personagens. Em O PREÇO DA CORAGEM, o drama é frio, péssimo. Com exceção da tal cena da Angelina gritando. E ainda assim, ela fica praticamente de costas para a câmera,

Abs!

 
At 4:39 PM, dezembro 02, 2007, Blogger Victor Nassar said...

E a Jolie tá meio diferente, olhando rápido nem percebi que era ela na foto.
Eu não já não esperava muito do filme não, e com o teu texto, menos ainda! Mas é um dos que ainda verei...hehe


Abs!

 
At 11:19 PM, dezembro 02, 2007, Blogger Vinícius P. said...

Otavio, compreendo sua opinião em relação ao filme. Eu mesmo achei que faltou um pouco de emoção, talvez por esse estilo de filmar do Winterbottom (ainda mais se comparado ao trabalho do Meirelles em "O Jardineiro Fiel", um filme memorável dentro dessa temática). Só discordo um pouco em relação á Jolie, pois para mim ela está fantástica e não foi somente por esse cena do grito. Aliás, acho admirável quando atores renomados se envolvem com um filme da forma como ela fez.

 

Postar um comentário

<< Home