segunda-feira, fevereiro 25, 2008

Altos e baixos da cerimônia

Será que os Irmãos Coen não queriam toda essa homenagem no Oscar? Será que eles tinham coisa mais interessante para fazer ontem à noite? Que caras foram aquelas dos vencedores de Melhor Filme, Melhor Direção e Melhor Roteiro Adaptado? Que dificuldade para arrancar um simples sorriso deles! Ou algo mais do que o "Hmm... Thank You!" de Ethan Coen. Enfim, os irmãos mais celebrados do cinema ganharam três estatuetas cada - os últimos recordistas foram Peter Jackson (Filme, Direção e Roteiro Adaptado, por O Retorno do Rei) e James Cameron (Filme, Direção e Montagem, por Titanic).

Peninha para Paul Thomas Anderson, que fez realmente o melhor filme do ano. Seu Sangue Negro levou as justas estatuetas de Melhor Ator (Daniel Day-Lewis) e Melhor Fotografia, mas merecia bem mais. Parece que ficou aquela impressão de que o filme vale pela atuação sobrenatural de Daniel Day-Lewis como disse o "sábio" José Wilker. Não é verdade. Sangue Negro tem força para ser considerado como o único clássico do cinema saído diretamente de 2007. O "entendido" José Wilker também disse que O Ultimato Bourne (o segundo maior oscarizado da noite) tinha que ganhar esses prêmios técnicos porque o filme de Paul Greengrass é "apenas" isso, além de ser muito barulhento.

Falando em transmissão, Rubens Ewald Filho chamou Kevin Costner e seu Dança Com Lobos de "erros da Academia", assim como Coração Valente, de Mel Gibson. Ora, essa. Costner pode estar por baixo hoje, mas teve sua importância. Em 1991, quando Dança Com Lobos ganhou o Oscar, o ano deveria ter sido de Os Bons Companheiros e Martin Scorsese, claro. Mas daí a desmerecer Costner? Aquela época foi dele: Robin Hood, Dança Com Lobos, JFK, Campo dos Sonhos, Os Intocáveis...


Particularmente, eu não agüentei as piadinhas pra cima de Diablo Cody, vencedora merecidíssima do Oscar de Melhor Roteiro Original, por Juno. Todo mundo sabe o quanto ela é esquisita e se estava mal vestida ou não, o problema é dela. Deixa a garota curtir o Oscar. Aliás, o comentarista ainda não acertou o nome de Menina de Ouro, de Clint Eastwood. Errou por duas vezes: Garota de Ouro e Garota Dourada. E que chatice falar sobre as escorregadas no palco de Colin Farrell e John Travolta. Vamos falar mais de cinema, ok?


Voltando ao verdadeiro Oscar (e não aquele exibido pelos canais nacionais), acho que o apresentador Jon Stewart se saiu muito bem. Fez ótimas piadas com o indiscutível talento de Cate Blanchett e as mulheres grávidas na cerimônia. Além de tudo, ele foi um gentleman ao trazer de volta a vencedora do Oscar de Melhor Canção, Marketa Irglova, que não pôde fazer seu discurso, já que a música do maestro da cerimônia, Bill Conti, tocou mais alto e obrigou o casal de Once a se retirar do palco.

E o que foi a derrota de Transformers no Oscar de Melhores Efeitos Visuais? Brincadeira, hein. A Bússola de Ouro? Por favor... O outro concorrente (Piratas do Caribe - No Fim do Mundo) também merecia mais do que a fantasia de Chris Weitz. Veja bem: Não estamos discutindo qual é o melhor desses três filmes necessariamente, mas sim qual deles apresentou os melhores efeitos visuais.

Gostei muito dos momentos de Marion Cotillard e Tilda Swinton. Não somente porque eram minhas preferidas em suas respectivas categorias, mas pela sinceridade e espontaneidade na hora dos discursos. Aliás, Tilda não chorou e nem agradeceu a Deus. Ela não esperava mesmo, mas manteve a classe de uma autêntica inglesa. Tilda agradeceu a George Clooney, brincou com ele por causa de Batman & Robin, e exaltou a carreira do colega, o grande astro de Hollywood, que além de amadurecer cada vez mais como ator, ainda é bom diretor, produtor e roteirista. Outras chances virão, Sr. Clooney.

Mas, para mim, a maior gafe da noite veio da própria Academia. Na tradicional (e emocionante) hora de homenagear os talentos falecidos entre o Oscar de 2007 e o de 2008, mostraram Michelangelo Antonioni, Deborah Kerr, Delbert Mann, Ingmar Bergman, Heath Ledger e tantos outros... Mas onde estava o grande Roy Scheider? Lamentável.

10 Comments:

At 4:08 PM, fevereiro 25, 2008, Blogger Kamila said...

Otavio, você prestou atenção no início do segmento de "In Memoriam"? Tinha lá que a homenagem seria feita até os que faleceram no dia 31 de Janeiro. O Roy Scheider faleceu em Fevereiro e deve ser lembrado no próximo Oscar.

Eu gostei do Oscar 2008 e concordo com muitos dos seus comentários, especialmente sobre o Jon Stewart, os irmãos Coen (a Frances McDormand estava muito mais emocionada do que eles) e sobre os momentos da Tilda Swinton e da Marion Cotillard.

Queria ressaltar também a Cate Blanchett, que foi uma perdedora muito legal. Ela vibrou muito com a vitória das duas colegas.

Acho que a produção do Oscar 2008 foi um pouco apressada. Tivemos problemas de som e com os gráficos durante o show, além daquele número paupérrimo da Amy Adams, enquanto as outras canções indicadas foram super bem produzidas.

Discordo somente do que você disse sobre a Diablo Cody? Ela que pediu essas piadinhas quando decidiu se expor em excesso na mídia. Não me lembro de nenhum outro roteirista que tenha tido tanta mídia assim.

Beijos!

 
At 4:09 PM, fevereiro 25, 2008, Blogger Kamila said...

Sim, e meu momento favorito da noite foi a Marketa Iglova tendo a oportunidade de fazer seu discurso de agradecimento depois de ter sido cortada pela orquestra. E ela aproveitou muito bem a chance que teve!

 
At 4:12 PM, fevereiro 25, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Mas, Kamila, mesmo assim foi uma gafe não homenagear o Roy Scheider, vai...

O cara tem prazo de validade para morrer? Se o Spielberg (Deus me Livre) morre um dia antes da cerimônia, ninguém fala dele? :)

Bjs!

 
At 4:39 PM, fevereiro 25, 2008, Anonymous Vinícius P. said...

Nem percebi essas ausências do "In Memoriam", mas disseram que o Brad Renfro também não apareceu - não sei, só peguei na parte final quando já estava na Deborah Kerr.

Acho um exagero tantos prêmios para os Coen, podiam ao menos oferecer a estatueta de roteiro para o Paul Thomas Anderson. E o Wilker falou muita besteira, já tava enchendo o saco. O REF eu não vi, mas ele sempre comete (muitos) erros também.

Não gostei do Jon Stewart, apesar de adorar o momento do bebê. E as vitórias da Cotillard e da Swinton foram mesmo os melhores momentos. Que discurso esse da Tilda, hein? Parecia que já tinha vencido a estatueta umas quatro vezes antes para falar tão bem assim.

Ótimos prêmios, mas cerimônia fraquíssima (em termos de produção).

 
At 5:20 PM, fevereiro 25, 2008, Blogger Kamila said...

Otavio, entendo o que você quer dizer. Mas, tinha aquela data lá. É uma coisa chata, mas é a verdade. Marit Allen também ficou de fora do "In Memoriam" e ela era indicada neste ano.

 
At 8:45 PM, fevereiro 25, 2008, Anonymous Denis Torres said...

Otávio, eu acho que essas homenagens póstumas são preparadas com antecedência e como Roy Schneider morreu recentemente eles nem se deram ao trabalho de reditar o vídeo. Provavelmente vão deixar pro ano que vem. Mesmo assim, lamentável...

 
At 10:49 PM, fevereiro 25, 2008, Blogger Flávia said...

Sobre a Diablo Cody... acho que a roupa estava adequada ao estilo dela. Estranho seria se ela estivesse tentando mostrar algo que não é...

Bjs!

 
At 6:09 AM, fevereiro 26, 2008, Blogger Ivani said...

Primeiro Otávio, parabéns.
Mesmo gripado você acertou quase tudo. Tem os palpites da MegaSena?
Segundo, toda vez que tem uma premiação na tv, me recuso a ver com comentários do Sr. REF, por isso viva a tecla SAP.
Terceiro, precisam colocar realmente gente competente para acompanhar essas premiações, e meu voto é para o Luiz Carlos Merten do O Estado de S.Paulo, um rapaz cheio de informação, mas também cheio de bom senso.
Adorei o Oscar da Marion, minha torcida sempre foi por ela, mas temia que ela não ganhasse justamente por ser uma estrangeira (não sendo americana ou britânica).
Parabéns ao Jon Stewart, ótima apresentação e pelo ato de cavalherismo (será que ele mesmo é que decidiu ou foi o pessoal da produção do show?) por trazer a Marketa Irglova de volta ao palco para o seu agradecimento, na minha opinião um fato inédito no Oscar.

 
At 10:49 AM, fevereiro 26, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Obrigado, Ivani! E também gosto muito dos textos e dos critérios de avaliação do Merten.

Abs!

 
At 9:22 PM, fevereiro 26, 2008, Blogger Weiner said...

A homenagem aos falecido foi muito bonita, apesar de curta. Gostei bastante da lembrança dos 79 filmes já premiados pela Academia, me lembrou que tenho que ver - e rever - alguns. Belíssimo discurso de Cottilard, merecidíssimo Oscar à ela. O melhor momento da noite. Adorei a participação dos vencedores de Once e também a derrota de Ruby Dee.
Irmãos Coen, bah. Eles iam vencer mesmo.
Abraço!

 

Postar um comentário

<< Home