domingo, junho 15, 2008

Fim dos Tempos

"É melhor a gente ir andando.
Acho que o final surpresa está se aproximando. CORRAM!"


Não importa qual é o tema de Fim dos Tempos (The Happening, 2008), o novo filme de M. Night Shyamalan, o diretor criativo de O Sexto Sentido e Sinais. Ele não quer ser pedagógico e ensinar as pessoas como tratar o mundo melhor. O que Shyamalan quer é aproveitar os recursos oferecidos por uma boa sala de cinema e divertir o espectador com suas histórias misteriosas e assustadoras. Em Fim dos Tempos, acima de tudo, ele quer homenagear Steven Spielberg, seu maior ídolo, O Exorcista, um de seus favoritos, e os filmes B de ficção científica e terror dos anos 50 e 60.

O Exorcista é o filme de horror explícito mais impressionante da História. Os outros grandes filmes de terror, no entanto, apostavam naquilo que a platéia não via para provocar medo. Foi assim, por exemplo, em O Bebê de Rosemary, de Roman Polanski. Filmes de ficção científica e suspense também aproveitaram a mesma técnica - Spielberg se recusou a mostrar muito de seu Tubarão; Ridley Scott quase não deixou a gente ver o monstro de Alien - O Oitavo Passageiro e o elegante suspense de Hitchcock estava nas sutilezas. Ou seja, quanto menos o espectador ver, melhor. Mas William Friedkin fez o impossível em O Exorcista, que não esconde o nojo e o sangue. Não sei como ele conseguiu, mas o que importa é que todos esses nomes são influentes no cinema de M. Night Shyamalan. Principalmente, a câmera e os recursos narrativos de Steven Spielberg.

Isso está nos detalhes - antes da platéia ver aquilo que assusta o personagem, Shyamalan e Spielberg filmam o rosto petrificado de medo do sujeito e só depois sabemos o que está acontecendo. É um estilo que impressiona e prepara o clima para o medo, o suspense ou o terror. Os protagonistas de Shyamalan (como muitos de Spielberg) também estão sempre acompanhados de crianças e a união da família é o foco principal da trama - mais do que as ameaças ou qualquer susto ou cena de ação.


O segredo ou a verdade sobre quem está por trás do suicídio coletivo na história de Fim dos Tempos tem pouca importância no que Shyamalan quer passar ao público. Ele se preocupa muito mais em reaproveitar o que já foi explorado em filmes B do passado numa produção de grande orçamento. Spielberg brincou da mesma forma em filmes como Guerra dos Mundos e a série Indiana Jones.

Só que, desta vez, Shyamalan procurou ser mais explícito no banho de sangue. Antes, ele era mais elegante na direção. Os efeitos sonoros e a sugestão tocavam o terror em O Sexto Sentido e Sinais. O som continua sendo fundamental em Fim dos Tempos, mas o poder da imagem é a nova prioridade do diretor, que não desvia a câmera das mortes grotescas. Ele quer que você veja tudo. Como em O Exorcista.

Aliás, a estrutura do roteiro de O Exorcista marcou a carreira de Shyamalan. O filme de William Friedkin não é sobre uma menina possuída pelo capeta e sua mãe desesperada. O Exorcista é sobre o Padre Karras (Jason Miller). Essa sacada influenciou os roteiros de Shyamalan, que giram em torno de um acontecimento extraordinário, mas o que realmente importa na trama nem sempre é captado pela platéia. Até aqui, eu não toquei nos problemas. Mas vamos lá.


A principal diferença de O Exorcista para Fim dos Tempos é a força da história. Shyamalan pode mostrar gente morrendo de diversas formas, mas nunca impressiona como o clássico de Friedkin. Fim dos Tempos não deixará ninguém acordado à noite. Com um roteiro incrivelmente fraco, Shyamalan quis ser explícito na violência, mas não conseguiu impressionar. O filme não empolga e isso representa um desastre nas pretensões do diretor. Ser sanguinário não é o suficiente. Outro erro de Shyamalan é explicar o mistério, claro, com o auxílio de imagens quando tudo não passava de teoria na visão de personagens como professores, cientistas e jornalistas. Onde está a confiança na platéia?

Uma boa história com começo, meio e fim ainda é essencial para o cinema, mas Shyamalan anda mais preocupado em exercitar seus estilos em torno das influências de seus mestres. Fim dos Tempos tem bons momentos, mas um filme não se sustenta somente com homenagens. Ainda bem que O Sexto Sentido saiu numa época em que ninguém sabia quem era M. Night Shyamalan. Nem mesmo ele.

Fim dos Tempos (The Happening, 2008)
Direção: M. Night Shyamalan
Roteiro: M. Night Shyamalan
Elenco: Mark Wahlberg, Zooey Deschanel, John Leguizamo, Ashlyn Sanchez, Spencer Breslin, Robert Bailey Jr., Betty Buckley e Jeremy Strong

18 Comments:

At 6:20 PM, junho 15, 2008, Blogger Isabela said...

Pois é, tenho lido varias criticas quanto ao novo filme do Shyamalan, e infelizmente nada animadoras. Ainda não conferi, e mesmo pretendendo não guardo grandes expectativas. Acho que como idealizador ele tem boas idéias, mas ultimamente tem pecado ao tentar transforma-las em roteiro/direção.

 
At 8:17 PM, junho 15, 2008, Anonymous Denis Torres said...

É o que eu disse no começo do ano: Sempre achei M. Night Shyamalan pretensioso e o fato de ele ter começado sua carreira com um bom filme parece ter pesado nas suas escolhas e de alguma maneira ele perdeu a mão. Fim dos tempos tem cenas que beiram o ridículo e poderia se chamar Fim de Carreira. Quando sai da sala topei com um pôster de Batman The Dark knight e me arrependi de não ter esperado para ver Fim dos Tempos em dvd. PS.: Quanto ao Exorcista acredito que, mesmo sendo um filme de terror explícito, a razão de seu tremendo sucesso na época foi mexer com um tabu de uma forma vigorosa nunca feita antes. Além disso, os efeitos especiais foram de primeira linha e deram credibilidade ao filme, com um realismo inédito. E o filme possui 2 coisas essenciais: um clima de suspense estupedendo(difícil de se realizar e essencial em qualquer filme de terror) e excelentes atores, tanto principais como coadjuvantes. E a atuação de Jason Miller como o Padre Karras? Nunca um padre mostrou tantas dúvidas e inseguranças com tamanha convicção. Clássico absoluto.

 
At 8:48 PM, junho 15, 2008, Anonymous Wally said...

Otavio, vi o filme hoje e fiquei decepcionado. Não o achei ruim, admirei muitos elementos e acho que o filme ta longe da tragédia que tantos o acusam. Agora, Shyamalan pecou diversamente aqui. Considero seu mais fraco trabalho, mesmo que bonzinho. Acho O Exorcista o melhor filme de terror de todos os tempos e os filme de Shyamalan dialoga muito com esses elementos de fé e família. Agora, na sua crítica você relacionou Shy a apenas dois filmes, Sexto Sentido e Sinais. Você não gosta de Corpo Fechado?? Nossa, eu adoro. Acho que é uma aula de como fazer cinema e o único filme que ameaça tirar O Sexto Sentido do topo da carreira do cineasta.

Sobre seu post anterior, não vou ver Sex and the City nos cinemas por três motivos:
1-Não vi nada da série.
2-A duração é de matar!
3-Sua crítica matou qualquer vontade.
Mas verei em DVD...

Ciao!

 
At 9:37 PM, junho 15, 2008, Blogger Matheus Pannebecker said...

Não gostei desse filme. E olha que até então eu nunca tinha reclamado do Shyamalan. Dessa vez ele pisou na bola, não consegui gostar. Elenco sofrível e história mal conduzida.

 
At 12:15 AM, junho 16, 2008, Blogger Rodrigo Fernandes said...

achie que foi uma ghrande decepção esse filme.. vou postar sobre eele amanha,e sperava muito mais, mas principalmente num trato melhor com os personagens... quanta babaquice nos dialogos, quantas situações bobinhas
as cenas das mortes, realmente são bem filmadas e o filme tem todo tempo um ar de suspense muito bom, oproblema é que as falhas dele falam mais alto e saí dos cienmas com a sensação terrivel de ter desperdiçado meu tempo e meu dinheiro... e forma poucas as vezes que tive isso ao ver um filme, pelo menos não muda a mina admiração pelo Shyalaman...
abraços, Otávio!

 
At 11:25 AM, junho 16, 2008, Blogger Museu do Cinema said...

Eu ainda estou puto com Shymylan, não sei se vou ver esse, quem sabe piratão.

 
At 11:30 AM, junho 16, 2008, Anonymous Tiago said...

Assisti ontem no cinema, o filme virou comédia, alguém viu o microfone e comentou alto para que todos pudessem reparar, apartir dai, o microfone apareceu quase o filme inteiro e a cada aparição gargalhadas do público eram ouvidas, diante de um filme proposto como de Suspense este parecia uma piada de mau gosto com o público…

 
At 11:52 AM, junho 16, 2008, Blogger Robson Saldanha said...

A miha decepção foi frande nesse filme. Esperava um novo Shy, que revolucionasse o que tanto falavam dele mas não foi isso que aconteceu. Acho que ele se perdeu com coisas inúteis como diálogos bobos e cenas desnecessárias. E se ele queria passar alguma mensagem, ela não foi bem explorada e explicitada. Mas como diz Matheus, eu perdôo Shy!

 
At 12:20 PM, junho 16, 2008, Blogger Gustavo H.R. said...

Que pena que não decolou. Desta vez não são só detratores que criticam, fãs de longa data também. Talvez Shyamalan precise fazer um balanço de suas próprias pretensões em relação à sua arte.
Espero ver e gostar, mas ao que tudo indica, não será tão simples...

Cumps.

 
At 12:55 PM, junho 16, 2008, Blogger Weiner said...

Depois que eu li uma declaração de M. Night Shyamalan dizendo que havia produzido um filme B divertido e previsivo, essa semana, desisti de assistir nos cinemas. E sua cotação também...

 
At 4:05 PM, junho 16, 2008, Anonymous Kamila said...

As críticas que eu tenho lido sobre "Fim dos Tempos" têm sido quase unânimes ao dizerem que o filme é ruim. O roteiro parece ser o maior problema. Li até gente sugerindo que acha melhor o Shyamalan começar a filmar algo escrito por outras pessoas.

Mas, mesmo assim, devo conferir "Fim dos Tempos".

Beijos!

 
At 10:11 PM, junho 16, 2008, Anonymous Denis Torres said...

Otávio, procurei um filme na sua seção 5 estrelas chamado O Sol é para Todos, mas acho que me enganei. Vc chegou a escrever uma crítica desse filme? Até mais.

 
At 10:35 AM, junho 17, 2008, OpenID cineresenhas said...

Otavio, ainda que eu não tenha visto "Olhos Abertos" e o primeiro filme que ele rodou e protagonizou, gosto de todos os trabalhos de M. Night Shyamalan, em especial "A Vila". O publico ainda está muito impactado com as surpresas e inteligência de "O Sexto Sentido" e tanto eles quanto a própria crítica parecem insistir para que o diretor realize algo parecido com este grande sucesso, pouco valorizando os seus trabalhos seguintes, mesmo que sejam tão bons quanto o filme protagonizado por Bruce Willis.

Assisti "Fim dos Tempos" na estréia e fiquei satisfeito com o resultado, ainda que eu reconheça não se tratar de um filme formidável. É verdade que desta vez Shyamalan optou por deixar as coisas mais explícitas, mas o "vilão" da vez, uma simples ventania, tornou as coisas bem assustadoras. E tenho que admitir que as cenas de suicídio me deixaram bem impressionados, elas estão na minha memória até agora.

Abraços!

 
At 11:41 AM, junho 17, 2008, Blogger Marcus Vinícius said...

Eu quero ver, por mais que falem mal, hehe.

Abs!

 
At 5:16 PM, junho 17, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Isabela, o Shyamalan está em órbita. Ele precisa voltar.

Denis, não aposente o Shyamalan. FIM DE CARREIRA é um bom nome, mas vamos dar mais uma chance ao cara.

Wally, adoro CORPO FECHADO. Só esqueci de citar o filme. Mas você já viu minha lista TOP 5 do Shyamalan, não?

Matheus, Shyamalan deveria ter feito um filme do CAPITÃO PLANETA. Lembra? "Vai Planetaaaaaaa!"

Rodrigo, vou lá no teu blog ler a crítica.

Cassiano, você está puto com ele? Agora, você vai querer matar o cara.

Tiago, o microfone é por causa do formato da tela do cinema que você escolheu. Não é culpa do Shyamalan.

Robson, a mensagem é "Não faça mal às plantas"

Gustavo, caso você goste, não tenha vergonha. Eu gostei de HULK.

Weiner, veja o filme. Se você gostar, mostre que estamos enganados.

Kamila, até os Irmãos Coen e Quentin Tarantino trabalham com roteiros adaptados de vez em quando. Shyamalan é talentoso, mas deveria parar de acreditar que é um gênio.

Denis, ainda não. Mas ele é cinco estrelas.

Alex, ao menos, acho FIM DOS TEMPOS melhor que A DAMA NA ÁGUA.

Marcus, é como o Flamengo. Mesmo jogando mal, eu torço por ele.

 
At 5:33 PM, junho 18, 2008, Blogger Alex Sandro Alves said...

Eu não acredito que você está comparando um dos filmes mais assustadores de todos os tempos com esta porcaria que é 'Fim dos Tempos'??? Pode parar...rs!!!

As cenas repugnantes mostradas pelo Shyamalan é trash puro... E desnecessárias é bom dizer... Se as pessoas ficarem acordadas a noite é de raiva pensando no suado dinheiro deixado na bilheteria do cinema...rs!!!

O roteiro é horroroso!!! Diálogos constragedores e personagens bizarros... Mas ainda assim é menos ruim mesmo do que 'A Dama na Água'... Mas está li viu, pau a pau na ruindade...

Agora o que mais me surpreendeu negativamente foi sua direção medíocre... Nem parece um filme de Shyamalan... Sem criatividade nenhuma...

E exato o filme tem seus bons momentos... E é isso que me entristece pois gosto de Shyamalan... Sua interessante e intrigante premissa rendeu um material digno de vaias...

 
At 7:03 PM, junho 18, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Alex, acho que ele quis chocar. É uma inspiração no horror explícito de O EXORCISTA, embora sejam dois filmes completamente diferentes em todos os sentidos. Tirando o horror explícito.

O próprio Shyamalan revelou essa inspiração numa entrevista. Embora seja outra história, a intenção foi chocar o público com as mortes como O EXORCISTA fez em outras cenas criativas e jamais igualadas.

Abs!

 
At 10:49 AM, junho 19, 2008, Blogger Alex Sandro Alves said...

Algumas mortes realmente são chocantes (como a de um personagem que corta o pulso), outras são repugnantes e de tremendo mal gosto (no zôo), e outras são assustadoras (na obra)... Mas tudo vai pro ralo devido aos diálogos sofríveis e direção de atores medonha...

Otávio, o que vc achou daquele diálogo onde Wahlberg relata o que fez numa farmárcia? Juro que não acreditei que aquilo havia sido escrito por Shyamalan... Que coisa pavorosa...

 

Postar um comentário

<< Home