terça-feira, junho 10, 2008

Desculpe-me, mas a fila anda

Não sei se todo mundo tem esse problema Brasil afora, mas em São Paulo, a coisa está feia. Não estou falando do trânsito, mas da organização das filas nos principais cinemas da cidade.

Como se não bastasse o preço dos ingressos (tem cinema que chega a cobrar 20 pilas), além dos comes e bebes dos multiplexes e o estacionamento pago, o cinéfilo ainda precisa gastar sua paciência para torcer pelo filme do coração em filas quilométricas. A média chega a duas horas de espera por sessão. Duas horas de pé! É mole?

Quando vi Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal pela primeira vez, escolhi uma das salas do Shopping Anália Franco, lugar bacana com gente bonita e bem vestida. Fazia um tempinho que eu não visitava aquele shopping, que nunca ficava lotado - nem mesmo na época de Natal ou na véspera do Dia dos Pais (ou das Mães). Ledo engano. São Paulo vai mesmo parar um dia. O estacionamento estava infestado de carros de todos os tipos, demorei para achar uma vaga e já desci do carro estressado. Sem falar na dor de barriga, que me acompanhava pela ansiedade da estréia de Indy.


Como ainda faltava pouco mais de duas horas para o início da minha sessão, resolvi dar uma volta pelo formigueiro de gente que dominava os corredores do shopping, mas dois ou três espertinhos desocupados começaram a guardar caixão na frente da entrada para a minha sala de Indy. Ao ignorar a ação da molecada, o sabichão aqui resolveu tomar um café por cinco minutinhos. Quando voltei para checar o desenvolvimento da fila, vi que ela se arrastava tortuosamente até o outro lado do saguão. Detalhe: cerca de duas horas antes do filme.

O shopping se defende ao dizer que a culpa é de dois ou três espertinhos que se aglomeram e formam a fila. Os demais chegam e entram na onda, pois não querem ficar para trás. Isso é São Paulo, uma competição angustiante e infinita até nas horas de lazer. Mas, então, por que os organizadores do cinema da UCI não varrem os bonitões da fila e pedem para que todos retornem na hora do filme?


E pensar que isso ainda acontece na era da internet, que permite que qualquer ser humano munido de cartão de crédito compre seu ingresso pela rede. Pior do que isso é saber que alguns cinemas da cidade já trabalham com o sistema de lugar marcado. Mas, infelizmente, ainda tem gente na idade da pedra como a UCI do Anália Franco. E tem bobo, como eu, que não aprende. Mas juro que não volto mais lá. Não até a UCI anunciar que trabalhará com lugares marcados.

Peço desculpas pelo mau humor, mas de vez em quando é bom reclamar. Ando revoltado com a organização dos cinemas em geral e a falta de educação dos reféns de celulares, que não agüentam dez minutos de filme sem checar o aparelho pra ver se tem alguma mensagem. É por isso que eu comprei um home theater. Agora, preciso juntar uma grana para adquirir uma TV gigantesca de LCD. Vai demorar, eu sei, mas chegarei lá. Talvez antes da extinção das filas nos cinemas.

18 Comments:

At 4:58 PM, junho 10, 2008, Blogger Rodrigo Fernandes said...

ahaha, dor de barriga é froid, hein!?!?!
Mas que coisa, duas hora na fila é complciado.. fico as vezes alguns minutos, mas nada tão irritante.. é o lado bom de se morar no interior.. mas não compensa tbm pela falta de variedades... esse é o lado ruim..rs
abraços!!!

 
At 5:05 PM, junho 10, 2008, Blogger fabiana said...

Eu sofro desse mal, e muitas vezes sou obrigada a comprar ingresso na hora do almoço para garantir a sessão das 18:30. Mas isso só acontece nas grandes estréias por aqui nas Minas Gerais...

 
At 6:07 PM, junho 10, 2008, Anonymous Denis Torres said...

Otávio, a sua tv é widescreen ou padrão normal? Depois que comprei uma tv widescreen de 32 polegadas (nem tão grande assim) comecei a rever alguns clássicos e, meu amigo, quanta diferença! Só vou ao cinema quando o filme é imperdível, pois o futuro, infelizmente, é o cinema em casa...

 
At 6:12 PM, junho 10, 2008, Blogger Robson Saldanha said...

Otávio fui a São Paulo a duas semanas, foi rápido e não deu pra conferir os cinemas, mas vi que tudo tem fila e a paciência tem que ser aliado pra quem vive aí hein? quer um conselho? tira férias e vem pra Natal cara, aqui você paga no máximo quinze no fim de semana e filas somente cinco minutos antes da sessão, no final de smena, e não são enormes! Detalhe: Aqui só tem duas empresas de cinema! É tudo de bom!! Se vier avisa!! hehehehe

 
At 6:34 PM, junho 10, 2008, Blogger Kamila said...

Aqui em Natal, não temos problemas com filas ou preço de ingresso. Pagamos, no final de semana, 13 reais. Agora, uma verdade tem que ser dita: é preciso saber escolher o dia e a sessão certas para ir ao cinema. Eu, por exemplo, nunca vou aos domingos, porque sei que a fila de compra de ingressos tem um tamanho razoável. Por isso, discordo do Robson nesse ponto.

Pegava filas quilométricas para assistir filmes quando só tínhamos uma empresa boa de cinemas. Faz tempo que não sei o que é isso.

Agora, problema de estacionamento em shopping é uma questão geral. E o trânsito, aqui em Natal, que era tranquilo, está virando um inferno!!!

Beijos!

 
At 6:34 PM, junho 10, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Rodrigo, tudo verdade neste post. Até a dor de barriga.

Fabiana, isso irrita, não? Para quem vai ao cinema de vez em quando... Ok. Mas e para quem vai sempre?

Denis, a minha TV é widescreen. Infelizmente, parece que o cinema em casa é o futuro.

Robson, claro que te aviso. Mas faça-me o favor de fazer o mesmo, né? Quando estiver em São Paulo, avise!

Abs!

 
At 6:37 PM, junho 10, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Kamila, você tem razão. É preciso escolher o dia certo e a sessão certa.

Mas é o FIM DOS TEMPOS, hein! Trânsito até em Natal??????

Bjs!

 
At 7:43 PM, junho 10, 2008, Anonymous Anônimo said...

Otavio, quando o assunto é Blockbuster, como o filme do Spielberg, desculpe mas as filas acontecem no mundo inteiro. Isso se chama ansiedade....é a vontade de ser o primeiríssimo a ver o filme, como se isso fosse fazer o filme ficar melhor ou pior. Agora, por exemplo, tá vazio... mas a gente não quer esperar, né? Lugares marcados são realmente a melhor saída, e por isso tenho preferido o Kinoplex e o Iguatemi. O Eldorado também tem as malfadadas filas, mas só nos dois primeiros dias. O problema lá são as projeções escuras..... recomendo também os Arteplex - do Gay Caneca e do novo Shopping Bourbon - que reúne os cinéfilos mais contidos. É menor inclusive, a começão de pipocas, que me irritam profundamente. Aquele cheiro de gordura e o crec-crec do manuseio dos pacotinhos entrando nos diálogos e na trilha sonora.... quem quer comer pipoca devia ficar em casa. Nunca comprei pipoca pros meus filhos no cinema...além é claro do preço extorsivo. Quanto ao cinema em casa, desculpe, mas nada substitui a experiência da telona, da projeção digital, do som dolby, da imersão total. Cinemas são feitos para aquele formato- o resto é quebra galho. Abraços Marcelo

 
At 8:49 PM, junho 10, 2008, Anonymous Denis Torres said...

Marcelo, você tem razão sobre a telona ser a imersão total e experiência absoluta, porém isso só acontece com certos filmes que possuem aquela qualidade inerente ao cinema. Por exemplo, Lawrence da Arábia é um outro filme na telona, mas muitos filmes podem ser vistos em casa em dvd (ou blu-ray, para quem pode)sem nenhuma perda. Parece que as coisas estão andando para trás e quando você não tem certeza de diversão garantida, é melhor ficar em casa do que passar chateação. É preciso escolher horários especifícos e evitar alguns cinemas que possui aquele público adolescente irritante... E não é toda hora que temos o luxo e o tempo de fazer essas escolhas, não é mesmo? Abs.

 
At 9:00 PM, junho 10, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Marcelo, eu tenho ido ao Eldorado. Aliás, prefiro. Mas naquele dia, eu tentei o Anália Franco, que eu gostava bastante. E eu odeio pipoca. Principalmente o cheiro.

Denis, é isso. Em casa, eu não sou incomodado. Tirando um vizinho que faz reforma na casa todo sábado pela manhã. Enfim, jamais deixarei de ir ao cinema. Isso é a minha vida. Mas o público anda passando dos limites. E é um público que tem grana pra pagar esse ingresso caro. E tem cinema que ainda precisa se atualizar.

Abs!

 
At 11:47 PM, junho 10, 2008, Blogger Johnny Strangelove said...

Assim ... pego dois busus ... demoro duas horas sentado numa viagem de merda ... porém o cinema que vou ... compensa ... fodão pra caralho ...

mas é complicado ... e o UCI é um sacinho mesmo ... aqui em Ricifi tenho que me programar todinho para ver um filme ... isso é bom ... mas outras vezes ... é foda ...

 
At 1:55 AM, junho 11, 2008, Anonymous Denis Torres said...

É Otávio, quanto a evitar o público é complicado, pois não dá pra fazer seleção de platéia, não é mesmo? O jeito é tentar pegar horários onde a incidência é menor. Como todos aqui, somos exigentes e o preço cobrado aqui em SP não é dos melhores se comparados a outros países. Sendo assim, o atendimento e a organização deveria ser correspondente ao que pagamos. O problema é o que o brasileiro é um povo que reclama muito pouco e faz vista grossa para a maioria das coisas. Como o Marcelo, também frequento os cinemas da rede unibanco no shopping Frei Caneca e Augusta (onde a programação é menos comercial). Recomendo o Frei Caneca, pois geralmente são organizados, com salas bem cuidadas e um público educado. Além disso, você pode pagar meia-entrada se tiver conta no banco, independente da sua idade. E com a chegada dessa rede no Shopping Bourbon as opções são maiores agora. Só espero que a Sala Imax que vai estreiar por lá seja do Unibanco também, pois fui numa sala Imax em Nova York que é uma loucura! Pra quem adora cinema é hours concours!!!

 
At 8:02 AM, junho 11, 2008, Blogger Robson Saldanha said...

Isso é verdade, mas falando em filas no domingo, garanto que não se comparam ao de SP. E quanto ao trânsito, definitvamente é FIM DOS TEMPOS, aqui está horrível pra dirigir, inda mais em horários de pico!

 
At 10:35 AM, junho 11, 2008, Blogger Daniell said...

Quando o filme é muito grande eu nem me incomodo com as pré-filas não, porque eu sei que vou ter que chegar no cinema e entrar numa delas se não quiser sentar na primeira fileira. Aqui em BH esse lance de cadeiras marcadas não vingou não, pelo menos no shopping que começou a disponibilizar o serviço. O que me incomoda mesmo são os pestinhas que se dedicam a conversar durante todo o filme, isso sim, testa a paciência de Jesus!

 
At 2:55 PM, junho 11, 2008, Blogger Pedro Henrique said...

Eu só vou ao cinema no último horário da noite e em dias "vazios" para evitar esse tipo de desconforto, mas é inevitável.

 
At 3:36 PM, junho 11, 2008, Blogger Museu do Cinema said...

Otávio, assino em baixo e entre nessa briga ai.

É incrivel como até nosso lazer é ruim, esse país é piada pronta como diz Simão, pq senão fizer piada, viraremos Michael Douglas em Um dia de Fúria.

 
At 7:41 PM, junho 11, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

E eu odeio pipoca...

 
At 1:30 PM, junho 12, 2008, Anonymous Márcio Tiago Rocha said...

Nossa!! Quanto tempo que eu não ouvia essa expressão: "guardando o caixão".

 

Postar um comentário

<< Home