domingo, setembro 14, 2008

Hellboy II - O Exército Dourado


Atualmente, a onda é adaptar HQs para o cinema da forma mais séria possível. Foi assim com Homem de Ferro e, principalmente, Batman - O Cavaleiro das Trevas. A diversão jamais fica de lado, claro, mas existe uma evidente tentativa no ar de direcionar o conteúdo e a alma das HQs para um público mais adulto. É um risco interessante, compreensível e muito bem-vindo, mas de vez em quando é bom variar. Por isso, a sensação de assistir a um contraponto tão divertido (e até então despretensioso) como Hellboy II - O Exército Dourado (Hellboy II - The Golden Army, 2008) mostra que o cinema não precisa ser sempre, mas ainda pode ser divertido.

O grande responsável por tal resultado é o visionário cinesta mexicano Guillermo Del Toro, que finalmente conquistou Hollywood. Tudo isso graças ao sucesso (e aos três Oscars) de O Labirinto do Fauno. Se o primeiro Hellboy é uma aventura divertidinha, mas descartável, a segunda parte parece um trabalho com a legítima e já reconhecível assinatura de Del Toro. Não sei se ele conseguiu carta branca do estúdio, algo que não deve ter acontecido no primeiro, mas Hellboy II é uma aventura muito mais livre, leve e solta. É um filme comprometido com a diversão e nada mais. E ainda assim, a direção, as preferências visuais e contextuais de Del Toro são notadas - o que é uma vitória e tanto para um cineasta estrangeiro em Hollywood.

Antes que você pense nisso, Hellboy II não é bobo ou idiota. São duas horas de puro entretenimento com uma história envolvente cheia de personagens carismáticos e bizarros. Lembra grandes momentos de filmes inesquecíveis de fantasia e ficção científica como Star Wars, Os Caça-Fantasmas, Homens de Preto e Os Aventureiros do Bairro Proibido.


Mas jamais chame Hellboy II de filme de fantasia na cara de Guillermo Del Toro. Para o diretor, ele faz contos de fadas. Ok. Até entendi seu raciocínio, pois achei Hellboy II um filme ultra-mega romântico - por mais estranho que seja admitir isso. Del Toro mostra que é possível extrair beleza dos momentos de desespero e trevas. Com bom humor e muita leveza, não é exagero afirmar que o diretor vê luz na escuridão. São duas histórias de amor que movem o filme: Hellboy (Ron Perlman) + Liz (Selma Blair, linda) e Abe (Doug Jones) + Princesa Nuala (Anna Walton), a irmã do grande vilão do longa, o Príncipe Nuada (Luke Gross).

Não gosto de contar a trama dos filmes, nem mesmo suas premissas. Mas o maior conselho que posso dar a você é: Entre no cinema, esqueça a vida lá fora e relaxe. Assim, talvez você seja capaz de rir, vibrar, torcer e ficar com os olhos cheios d'água por causa dos heróis de Hellboy II - O Exército Dourado. Penso que não existe outra forma de encarar esse filme.

Del Toro dirige com tanta paixão que não há como não se emocionar na cena mais atípica do filme - é quando Hellboy e Abe cantam Can't Smile Without You, clássico romântico de Barry Manilow. É a melhor cena e uma das melhores do ano. É Guillermo Del Toro vendo luz na escuridão. E uma seqüência que se destaque de tal forma só comprova que o filme é especial. Pode não ser perfeito, mas funciona que é uma maravilha.

Mas você não liga para drama em um filme como Hellboy II e só quer saber de ação e efeitos visuais, certo? Bom, saiba que Del Toro também não decepciona na tentativa de embarcar o público numa viagem escapista da melhor qualidade. Mas me recuso a analisar um filme somente por seus aspectos técnicos. E Hellboy II tem muitos atrativos nesses pontos e não vê-lo entre os finalistas aos Oscars de Melhor Direção de Arte e Melhor Maquiagem seria muita sacanagem da Academia.

Vejo Hellboy II como o episódio do meio de uma provável trilogia de fantasia, ops, quero dizer... Conto de fadas moderno sobre escolhas, amadurecimento, esperança e a opção de viver um grande e verdadeiro amor em tempos tão cínicos e infelizes como os dias de hoje. A própria proposta da canção de Barry Manilow ecoando nos corações dos monstros de Del Toro já é um empurrãozinho para encorajar essa Humanidade podre a voltar a sorrir.

Hellboy II - O Exército Dourado (Hellboy II - The Golden Army, 2008)
Direção: Guillermo Del Toro
Roteiro: Guillermo Del Toro (Baseado nos quadrinhos de Mike Mignola)

Elenco: Ron Perlman, Selma Blair, Doug Jones, John Alexander, James Dodd, Seth MacFarlane, Luke Goss e Anna Walton

9 Comments:

At 11:46 PM, setembro 14, 2008, Blogger Pedro Henrique said...

Eu também gostei do filme. E também achei a cena que eles cantam "Can't Smile Without You" muito boa. A maquiagem é excelente e o visual também. Só que lembra muito a estética de "O Labirinto do Fauno". Mesmo assim, é aventura de primeira e bem superior que o primeiro, que já foi interessante.

Abraço!

 
At 12:28 AM, setembro 15, 2008, Anonymous Denis Torres said...

A cena com o clássico de Barry Manilow é o ponto alto do filme, além dos divertidos confrontos entre Hellboy e Liz, papel que parece ter sido feito para a talentosa Selma Blair. Me parece que a terceira parte não poderá ser dirigida por Del Toro ou não será feita tão cedo, devido ao novo projeto do dretor, a adaptação de O Hobbit. Já estou contando os dias para o lançamento desse filme, que promete muito! Abs.

 
At 9:17 AM, setembro 15, 2008, Anonymous Kamila said...

Otavio, eu achei "Hellboy 2" um filme muito bem produzido, com uma excelente qualidade técnica, mas, sinceramente, achei todas aquelas cenas envolvendo Abe Sapiens e Hellboy e suas respectivas parceiras um tanto forçadas e artificiais. Não achei que caberiam num filme como esse.

Beijos!

 
At 9:21 AM, setembro 15, 2008, Anonymous Robson Santos Costa said...

Eu não fui esperando muito do filme mas simplesmente adorei. Divertidíssmo sem ser nem um pouco bobo (como vc disse). Pô a cena da música é ótima sim. E a do Hellboy no armário apanhando do Cabeça de Vento é muito engraçada também. Filmaço no que se propõe. Ah e realmente a Selma Blair tá uma thcuthcuquinha, quando ela chora dá uma vontade de colocar no colo....

 
At 4:10 PM, setembro 15, 2008, Blogger contra-regra said...

Eu ainda não fui ver o novo Hellboy por dois simples motivos: queria ver O Nevoeiro e Ensaio sobre a Cegueira (esse vi ontem. Bárbaro!) a qualquer custo. Vale qualquer preço da entrada. Finalmente o cinema - depois daquela fase julho - férias escolares - filmes de super-herói -está de volta com toda a força. Que venham as grandes produções.

P.S: Nem por isso me esqueci de ir conferir o gigante vermelho. É só questão de tempo.

Mídia? Cultura? Acesse:
http://robertoqueiroz.wordpress.com

 
At 10:04 PM, setembro 15, 2008, Anonymous Vinícius P. said...

Eu odeio o primeiro "Hellboy" e por isso mesmo darei uma chance a essa continuação, mas somente por ser do Guillermo Del Toro. Pelo trailer, parece que a produção é boa mesmo, mas sinto que não será indicado ao Oscar em nenhuma categoria - até porque não teve grande apoio da crítica, muito menos um sucesso de público. Abs!

 
At 2:22 AM, setembro 16, 2008, Anonymous Wally said...

Adorei seu último paragrafo. Gostei do primeiro filme e adoro Del Toro. Conferirei em breve este filme.

Ciao!

 
At 5:54 PM, setembro 16, 2008, Anonymous Denis Torres said...

Otávio, olha só que camisa bacana, da época que seu time jogava muita bola: http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-80974923-camisa-antiga-do-flamengo-da-marca-campe-replica-nova-_JM.

 
At 8:56 AM, setembro 18, 2008, Blogger Ygor Moretti Fiorante said...

Achei fantástico o filme, arrisco dizer um dos melhores de super herois, os personagens fascinates, a trama muito bem amarrada, humor e muita ação, adorei o filme.

abraço e te mais...

 

Postar um comentário

<< Home