terça-feira, novembro 11, 2008

007 - Quantum of Solace

Diferente de Sean Connery, Roger Moore e Pierce Brosnan, Daniel Craig não liga se
está ou não no meio do deserto com Olga Kurylenko. Nem, ao menos, carrega a moça no colo.



Na onda das reinvenções e com os filmes de espionagem em alta para uma nova geração graças a um tal de Jason Bourne, convenhamos que era questão de tempo até os sabichões dos estúdios resolverem remodelar 007 para a criançada de hoje. Assim como Vanderlei Luxemburgo se vê acima do futebol, os engravatados do cinema se consideram maiores que a sétima arte e os fãs de cada franquia. A brincadeira começou com 007 - Cassino Royale, em 2006, que ousou ao escalar um James Bond loiro (Daniel Craig, que não faz feio) explosivo, violento, impetuoso e... grosso.

Ok. A idéia é recomeçar as aventuras do herói criado por Ian Fleming, então imagino que o agente vivido por Daniel Craig aja desta forma por ser um "00" novato e ainda em seus "três meses de experiência". Talvez, um dia, quem sabe, ele alcance a elegância vista no personagem eternizado por Sean Connery. Mas será que a intenção dos produtores (e do estúdio) é mesmo essa? E embora o herói de Daniel Craig tenha lampejos do James Bond clássico, acho que o verdadeiro objetivo aqui é conquistar o público que gosta da Trilogia Bourne e não necessariamente de 007. E essa proposta fica muito mais evidente no segundo episódio estrelado por Craig, 007 - Quantum of Solace (Quantum of Solace, 2008).

Antes de prosseguir, admito que não tenho problemas com reinvenções de figuraças da cultura pop. Ainda mais quando bestas quadradas como Joel Schumacher detonam um ícone como Batman. Embora sejam completamente contemporâneos, os filmes de Christopher Nolan (Batman Begins e O Cavaleiro das Trevas) jamais descaracterizaram o Homem-Morcego. Por outro lado, a recente volta de Indiana Jones irritou muita gente, mas todos parecem concordar que Harrison Ford ainda é (e sempre será) Indy. As características, a personalidade do herói, graças a Deus, são as mesmas de Os Caçadores da Arca Perdida.

De qualquer forma, mudanças em busca de atualização são sempre bem-vindas, afinal o cinema precisa continuar. Mas transformar James Bond em outro herói homônimo somente para acompanhar o gosto do público me parece mais estratégia de marketing do que uma obra de arte. Então, o importante é faturar alto nas bilheterias? Os fãs de carteirinha que se danem? Não acredito que 30% deles tenham implorado por uma atualização do personagem. E acho que não deveria existir essa preocupação com a parcela que não gosta de 007. A explicação para tamanha preocupação, claro, é dinheiro no bolso. Para mim, quem não gosta de Bond deveria ver outra coisa. E quem quiser conhecer o agente que alugue os 20 DVDs da série iniciada com O Satânico Dr. No (claro que estou ignorando o 21º, que é Cassino Royale).

O que acho engraçado nisso tudo é que os filmes de 007 estrelados por Pierce Brosnan conquistaram ótimas bilheterias. Então, que Diabos está acontecendo? Essa idéia de reinvenção é conversa pra boi dormir. É como se a Paramount recomeçasse do zero a saga dos Corleone por O Poderoso Chefão I uns cinco anos após o lançamento de O Poderoso Chefão III. O motivo? Só porque o terceiro filme não é unanimidade como as partes I e II.

Ora bolas, mas agora já foi. E Daniel Craig está no comando. Seria injusto reclamar dele, afinal temos um bom ator à frente de Cassino Royale e Quantum of Solace. O "primeiro filme" é melhor. Fato. É claro que se o agente de Daniel Craig tivesse qualquer outro nome, exceto James Bond, talvez eu gostasse mais de Cassino Royale e vibrasse com este novo herói de ação. Apesar de nervosinho, o personagem tem classe, charme e um gosto muito exigente e particular para mulheres e Dry Martinis, o que obviamente lembraria Bond. Mas o imperdoável em Cassino Royale é vê-lo de coração mole, apaixonado. Como eu disse, outro nome seria o bastante. Não Bond. Porém, o filme tem suas qualidades e uma surpresa: O diretor mediano Martin Campbell se saiu bem melhor que o sempre elogiado Marc Forster, que antes de Quantum of Solace, assinou O Caçador de Pipas, Em Busca da Terra do Nunca, Mais Estranho que a Ficção e A Última Ceia.

Sua escolha para dirigir o novo 007 só comprova a minha impressão sobre Forster: Um peão que se destaca entre outros vários de Hollywood só por saber conduzir bem a câmera. E que sorte danada que esse cara teve. Um currículo que no papel é muito bom, mas que na prática é uma enganação. Seus longas são roteiros filmados sem qualquer intervenção do olhar essencial do diretor, que é o verdadeiro contador de histórias para o público. No caso de Quantum of Solace, Forster entrega o que os envolvidos na reinvenção de Bond querem: Uma aventura de 007 cada vez mais parecida com os filmes de Jason Bourne. E não só no jeito de Bond bater, atirar, pular ou correr pelos telhados de Siena como Bourne correu pelos telhados do Marrocos. Desta vez, Forster até coloca a câmera na mão e balança a coitada sem dó nem piedade para atingir a estética realista que virou mania consagrada pela Trilogia Bourne. Só que Paul Greengrass, o diretor de A Supremacia Bourne e O Ultimato Bourne, sabe muito bem como manter seu olho de documentarista até nas cenas de ação, enquanto Marc Forster é apenas um robozinho nas mãos do estúdio.

Há uma seqüência, no entanto, que merece uma atenção. Falo dos tiros e da pancadaria na fuga de Bond durante a apresentação da ópera Tosca. Plasticamente, a cena é belíssima, mas Marc Forster não esconde a artificialidade de suas intenções. Portanto, não se engane. Guardadas as devidas proporções, Francis Ford Coppola ensinou como se faz na cena do batismo em O Poderoso Chefão e na ópera no final de O Poderoso Chefão III. Então se Forster não é Paul Greengrass, como posso aproximá-lo do talento de Coppola, não é mesmo?

No fim, Quantum of Solace entrega ação competente e desenfreada, porém fria, sem envolver o público emocionalmente. Para você ter uma idéia, somente os primeiros 15 minutos do filme têm mais ação que Cassino Royale inteiro. Alguns podem torcer o nariz para o jeito evidente de "episódio do meio" de Quantum of Solace. O filme começa exatamente onde termina Cassino Royale e vai para lugar nenhum. Mas reclamar disso pode ser bobagem, pois o filme talvez seja a segunda parte de uma trilogia independente com Daniel Craig. Ou parte de uma série que continuará e continuará. Mas vai saber? Não importa dizer que o Bond original idealizado por Ian Fleming é parecido com Daniel Craig. Concorde ou não comigo, o problema é jogar 20 aventuras de Bond na lata do lixo. Como disse um amigo, faz parte da Jasonbournização do cinema de ação.

007 - Quantum of Solace (Quantum of Solace, 2008)
Direção: Marc Forster
Roteiro: Paul Haggis, Neal Purvis, Robert Wade (Baseado no personagem criado por Ian Fleming)
Elenco: Daniel Craig, Mathieu Amalric, Olga Kurylenko, Judi Dench, Giancarlo Giannini, Gemma Arterton e Jeffrey Wright

12 Comments:

At 11:53 PM, novembro 12, 2008, Anonymous Kamila said...

Otavio, eu achei "Quantum of Solace" um filme bem inferior se comparado com "Cassino Royale". Apesar da qualidade técnica do longa, o roteiro nunca chegou a apresentar uma história que me empolgasse.

E sabe por quê estes filmes novos da série Bond se parecem com os longas do Jason Bourne? Porque o diretor da segunda unidade de "Quantum of Solace" e "Cassino Royale" é o mesmo que trabalhou com Paul Greengrass na construção das cenas de ação de "A Supremacia" e "O Ultimato Bourne".

Beijos!

 
At 11:56 PM, novembro 12, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Olha só, Kamilinha... Eu não sabia disso... Interessante, hein! Então não estamos enganados nessa opinião, né?

Bjs!

 
At 11:11 AM, novembro 13, 2008, Anonymous Robson santos Costa said...

Otávio, discordo de você em várias partes pois adorei o filme. Acho que ele está construindo aos poucos a identidade do "velho" Bond. O filme começa meio fraco mas depois empolga. Mas concordo com você em alguns pontos.
Acabei de fazer uma crítica lá no meu blog onde explico melhor minhas justificativas.

 
At 11:23 AM, novembro 13, 2008, Anonymous Robson Santos Costa said...

É mesmo Otávio, a cena da ópera é muito boa. Coppola fez melhor, lógico. Mas sem comprar com ninguém é muito boa. A interposição de imagens é bem interessante principalmente na parte do grande olho.

 
At 4:24 PM, novembro 13, 2008, Blogger fabiana said...

Tenho pavor do Daniel Craig! Nem honra as calças JamesBondianas que lhe foram confiadas!

O legado de Sean Conery e Roger Moore está por um fio! É uma pena!

 
At 6:47 PM, novembro 13, 2008, Blogger Kau said...

Otavio, posso falar a verdade? Acho muito difícil que Marc Foster consiga chegar perto da excelente direção de Grengress...

E seu texto foi o primeiro que me deixou sem expectativas. Ontem assisti ao badalado [REC] e devo ver o 007 neste fds (já que amanhã estréia o filme do Allen aqui).

Abraços.

 
At 6:58 PM, novembro 13, 2008, Anonymous Kamila said...

Parece que estamos errado, então! :-)

Beijos!

 
At 8:07 PM, novembro 13, 2008, Anonymous Vinícius P. said...

Mais uma opinião pouco animadora em relação a "Quantum of Solace", mas como não sou exatamente um grande fã das aventuras de James Bond, acho que ficarei satisfeito com um bom filme de ação. Abraço!

 
At 9:41 AM, novembro 14, 2008, Blogger Johnny Strangelove said...

Pode ter a certeza que QoS continua a dividir o publico Bond ... mas amigo ... só saberemos que algumas mudanças foram certas depois de um tempo ...
Mas pelo menos reconheçe que é um bom filme ...

Abraços amigo

 
At 6:56 PM, novembro 16, 2008, Anonymous Wally said...

Não me incomodei com o fator da identidade por conhecer apenas o Bond de Brosnan e detestá-lo. Acho que acima de elegancia, charme e os outros atributos do clássico Bond, é preciso ser humano. E Craig traz essa humanidade formidávelmente ao personagem, ao lado do roteiro. O filme tem falhas, mas é grande entretenimento. Adorei a cena da ópera.

Ciao!

 
At 11:36 AM, novembro 18, 2008, Blogger Alex Sandro Alves said...

Vou ser sincero contigo Otávio. Nunca tive nada contra o personagem James Bond, mas em compensação nunca gostei de seus longas (os poucos que vi já que não sou fã). Aquele universo repleto de seqüências de ação pra lá de mentirosas nunca me envolveu. Pierce Brosnan (de uma canastrice sem tamanho)? Ah, faça-me o favor!

Pela aceitação do público nas bilheterias terás que se conformar Otávio com esta nova roupagem. Eu mesmo prefiro este ao clássico. Daniel Craig arrebenta na pele do agente 007. 'Quantum of Solace' não é lá grande coisa (a trama fraquinha, fraquinha), mas vale por Craig.

OBS: Pelo visto os fãs da franquia 'Star Trek' terão a mesma reação de indignação!

Um grande abraço!

 
At 10:36 PM, dezembro 29, 2008, Anonymous Thiago said...

Otávio, me vejo na tarefa de criticar sua crítica. O que deu para perceber é que você ama o James Bond perfeito, intocável e sabe-tudo que foi mostrado até então.
Concordo que a influência de Jason Bourne é evidente, mas também não há razões para tanta "hostilidade" com o pobre Daniel Craig e sua versão do "herói inglês".
Ou talvez eu diga isso porque odeio James Bond, pelo menos até Cassino Royale. Talvez eu seja o estereótipo da nova geração, que não acredita em seres invencíveis e que não se machucam.
De qualquer forma, Quanton of Solace foi pior que Cassino Royale, que, admito, assiti por causa da maravilhosa Eva Green.

 

Postar um comentário

<< Home