quarta-feira, junho 10, 2009

O Exterminador do Futuro - A Salvação


Antes de reclamar do coitado do diretor picareta McG, que nem nome tem, vamos pensar um pouco e direcionar para outro ponto a discussão a respeito de O Exterminador do Futuro - A Salvação (Terminator Salvation, 2009), quarto filme da série iniciada em 1984 por James Cameron e encerrada pelo próprio, em 1991 (!). Estranho, não?

Compreender Hollywood é um processo complicado, um paradoxo que mexe com o tempo e a cabeça, como gostam os fãs e realizadores de ficção científica. O fato é que a indústria passa por uma bisonha escassez de mojo criativo. Como James Cameron seguiu com sua vida e não fez como George Lucas, que monopolizou sua cria, Star Wars, até quem usava fraldas na época do lançamento de O Exterminador do Futuro 2 - O Julgamento Final sabia que a saga continuaria de um jeito ou de outro. Com ou sem Jonathan Mostow, o diretor do dispensável terceiro filme. Com ou sem McG, o diretor de As Panteras, As Panteras Detonando e deste O Exterminador do Futuro - A Salvação.

Salvação do quê, Cara-Pálida? Do cinema que não é. Nem da série. Portanto, duvide dos falsos sábios da imprensa decadente que defendem ou exaltam, pelo menos, o visual deste novo filme. Não ouse ligar o look cinzento pintado por McG ao calor intenso dos cenários de Mad Max. Ok? Não me deixe triste, por favor. O que o diretor fez foi trabalhar com mais dinheiro do que Uwe Boll, o execrável cineasta de filmes de locadoras como House of the Dead, Alone in the Dark e BloodRayne, que vive tomando cascudos dos nerds. Mas o problema não é o pobre McG.

O problema de O Exterminador do Futuro - A Salvação está no público. Está comigo. E com você. A discussão deve se concentrar no lixo empurrado por Hollywood goela abaixo de humildes seres pensantes como eu e você. O grande mistério da sociedade voltada para o consumo impulsivo também envolve o cinema. Decidem continuar algo perfeitamente iniciado, desenvolvido e concluído, mas a gente paga pra ver neguim destruindo o que estava bom e devidamente disponível em DVD. Por que nós não aprendemos? Eis a questão. Agora, não adianta jogar a culpa no McG, pois se nosso rico dinheirinho é investido nessa bagaça, Hollywood entende que queremos mais. Você quer arremessar um tomate no diretorzinho? Dica: Espere e prepare-se para mais McGs.

Vamos brincar de "Se" agora. E se McG tivesse recomeçado a série como Christopher Nolan fez em Batman Begins e J.J. Abrams em Star Trek? Hmm, não havia necessidade, porque James Cameron não pagou mico. A solução do estúdio foi mexer em time que já estava ganhando pra conquistar o campeonato sem os mesmos craques. O novo Exterminador do Futuro começa anos depois do julgamento final, que arrasou a vida na Terra e colocou as máquinas no comando. Como estudamos direitinho nos filmes de James Cameron, o profeta carrancudo John Connor (um Christian Bale pouco a vontade) lidera os sobreviventes na resistência contra os filhotes de Bill Gates. Mas no futuro proposto por McG, no entanto, nem mesmo o cenário caótico é tão assustador quanto os flashbacks de Cameron em T1 e T2. Ainda por cima, teve gente que malhou o diretor de Titanic por um ou outro diálogo bobalhão no épico colossal detonador de Oscars. Enfim, ouça algumas pérolas escritas por John D. Brancato e Michael Ferris para O Exterminador do Futuro - A Salvação, que foram aprovadas por McG. E mais: Compare o drama e a tensão surgidos da ação de T1 e T2 com o vazio barulhento dos "arranca-rabos" filmados por McG.

Mais "Se": Se McG tentasse "imaginar" como teria sido essa guerra antes dos eventos mostrados no Exterminador do Futuro original, talvez, eu disse talvez o filme desse certo. Pelo contrário, o diretor considera os longas de Cameron e faz um samba do crioulo doido atemporal com Christian Bale berrando que "este não é o futuro que minha mãe me contou". Ok, McG, conta outra. Estou tentando aliviar a sua barra, mas está difícil. Confesso que é até sacanagem minha compará-lo a James Cameron. Perto dele, McG ainda usa radinho de pilha, como sua resistência em A Salvação, que se comunica livremente com esse aparelho do tempo da Copa de 50 sem que a poderosa Skynet perceba (!!).

Até tentei cotar o filme com uma estrelinha por causa dos atores Anton Yelchin e Sam Worthington. Yelchin é o jovem Kyle Reese. O ator de origem russa já havia mostrado seu talento em Alpha Dog, Star Trek, e comprova seu carisma em A Salvação. Outro achado é o astro instantâneo Sam Worthington, que interpreta o misterioso Marcus Wright, personagem mais legal do filme, embora a cronologia de sua existência não faça o menor sentido. E há mais um aspecto que vale a pena: os efeitos (visuais e sonoros). Embora não sejam revolucionários, como o trabalho oscarizado da Industrial Light & Magic para O Exterminador do Futuro 2, os truques são ótimos - tirando um cameo digital no fim do filme, que lembra o constrangedor clímax de O Retorno da Múmia, quando um Dwayne "The Rock" Johnson de video game surge para enfrentar Brendan Fraser. Depois disso, decidi cotar com "bolinha" mesmo. Fui.

O Exterminador do Futuro - A Salvação (Terminator Salvation, 2009)
Direção: McG
Roteiro: John D. Brancato e Michael Ferris
Elenco: Christian Bale, Sam Worthington, Anton Yelchin, Moon Bloodgood, Bryce Dallas Howard, Common, Jane Alexander e Helena Bonham-Carter

11 Comments:

At 2:08 PM, junho 11, 2009, Blogger Filipe Machado said...

As opiniões são têm sido muito famosas relativamente a este filme. É pena, estava esperançado num renascimento da saga...

Participa na sondagem "Melhor James Bond com Peter Sellers, George Lazenby, Timothy Dalton e Daniel Craig” até ao dia 15 de Julho 2009, em http://additionalcamera.blogspot.com.

 
At 3:49 PM, junho 11, 2009, Blogger Otavio Almeida said...

FILIPE, minha opinião também não foi famosa. Vou dar uma olhada no seu blog, mas o melhor Bond foi Sean Connery. Abs!

 
At 4:18 PM, junho 11, 2009, Blogger Fábio L. Rockenbach said...

Vou livrar a pele da ruindade existente. Acho que McG é um operário com grife, mas não sei de onde ele tirou a grife. Enfim, muita coisa que tem aqui cabe na conta do roteiro de John D. Brancato e Michael Ferris que McG, como bom operário, tentou orquestrar. Não ponho nele a culpa por tudo.
Aliás, culpa por culpa, esse quarto filme é melhor do que o terceiro e por mais que faça o tal "samba do crioulo doido" e nem de perto chegue próximo ao inferno que Cameron nos mostrou nos dois primeiros filmes, ele ainda resgata elemento sentimentais para quem gostou dos dois primeiros. A simples menção à história de Kyle reese, às fitas de Sarah Connor e a foto rasgada dela valeram mais do que duas horas do filme.
Concordo com tudo o que escreveu Otávio, principalmente em relação á tensão, ao clima, ao ambiente, à mitologia construída por Cameron.
Não concordo com o "bomba" porque existem bombas muito maiores. Escrevi algo semelhante no quarto Indiana Jones que muitos categorizaram como bomba: bomba meus filhos, eu escrevi, vocês não sabem o que é bomba. isso aqui perto de outras bombas é obra-prima. Esse "salvation" ( porque o nome, eu não sei ) é muito melhor que certas aventuras que chegaram nos últimos dois anos e foram recebidas como obras inovadoras - só pra citar uma bomba de Timur Bekmambetov que muita gente engoliu como algo fantástico.
Me diverti à beça no novo Terminator, é o que vale. Comparar com Cameron é covardia. Mas não vou buscar agulha em palheiro: a mitologia maravilhosa do Cameron termino no segundo filme. O que veio depois foi apenas uma curiosidade, e o que eu criei na minha mente é superior aos filmes 3 e 4.
PS: Ridículo mesmo é algo como uma refilmagem de Predador que estão planejando, e não continuarem uma série como Terminator. O círculo de amantes do original pode ficar com o original, os curiosos que se contentem com novas visões.

 
At 1:48 PM, junho 12, 2009, Blogger Diego Midlej said...

Otávio. Estava esperando sua crítica antes de pagar o ingresso.
Realmente tenho que admitir que me decepcionei com muitos filmes que esperava e insisti mesmo depois de ler sua opinião.
Vou levar meus sobrinhos pra assistir Uma noite no Museu 2. Pelo menos eles se divertirão.
abços.

 
At 2:35 PM, junho 12, 2009, Anonymous Vinícius P. said...

Ah, valia ao menos 1 estrelinha pelos atores como você comentou, não? A "bolinha" é muito malvada, hehehe.
Mas ainda não vi o filme, nem tenho o que falar, só espero que não seja esse desastre ;-)

 
At 4:27 PM, junho 12, 2009, Blogger Johnny Strangelove said...

Bomba também nao ...
Eu gostei ... tem muitos problemas porém pior do que o filme do Wolverine nao é ...

 
At 5:06 PM, junho 12, 2009, Blogger Fábio L. Rockenbach said...

Indeed. Wolverine é bomba maior para mim...

 
At 3:52 PM, junho 14, 2009, Blogger Pedro Henrique said...

É ruin, mas tu avacalhou, hehehe!

Abraço, tchê!!!

 
At 11:17 AM, junho 15, 2009, Blogger Otavio said...

FÁBIO
Rapaz, você quase me convenceu a dar uma estrelinha ao filme. Mas eu acho que o TERMINATOR SALVATION pagou o pato da ruindade que dominou os cinemas nos últimos meses e me contaminou. Acho que esse foi o resultado da minha crítica. Mas o filme é tão ruim para a série quanto A BATALHA NO PLANETA DOS MACACOS foi para O PLANETA DOS MACACOS original. Abs!

DIEGO
Muito obrigado! Mas o melhor filme para ver com filhos/sobrinhos neste momento é STAR TREK (especialmente com meninos). Ou, melhor, passar na locadora e reservar o novo DVD de MARY POPPINS, em comemoração dos 45 anos do clássico. Abs!

VINICIUS
A bolinha é malvada, mas ela não custou nadinha para o filme. Já eu tive de desembolsar uma bela grana pra ver o filme no cinema. Abs!

JOHNNY
Mas WOLVERINE é DOMINGO MAIOR. E tem Hugh Jackman. Assim como COMANDO PARA MATAR tem Schwarzenegger, e RAMBO tem Stallone. Abs!

FABIO
Completando o comentário para o Johnny, WOLVERINE, pelo menos, me fez rir. Abs!

PEDRO
É ruim, mas o filme avacalhou comigo. Abs!

 
At 2:16 PM, junho 16, 2009, Blogger Ygor Moretti Fiorante said...

como ja disse em outros posts esse é o filme mais aguardado por mim, não era, mas depois do trailer e de saber que finalemnte teremos uma visão desse futuro dos extermiandnores, fiquei bastante afim de ver.

Te mais!!

 
At 5:32 PM, junho 16, 2009, Blogger Otavio Almeida said...

YGOR
Boa sorte! Até porque acho que sua visão pessoal do futuro dos exterminadores deve ser mais legal que a de McG! Abs!

 

Postar um comentário

<< Home