segunda-feira, novembro 19, 2007

A Loja Mágica de Brinquedos


É impossível não lembrar da influência de Roald Dahl, o autor de A Fantástica Fábrica de Chocolate, ao término da sessão de A Loja Mágica de Brinquedos (Mr. Magorium's Wonder Emporium, 2007). Embora seja inevitável, a comparação é injusta. Essa estréia do roteirista Zach Helm como diretor é uma das piores produções infantis de todos os tempos.

Em algum lugar de 1991, eu saí animadíssimo de uma sessão de Hook - A Volta do Capitão Gancho. Sei que muita gente bateu nesse filme do Steven Spielberg. Na época, li críticas que acusaram o cineasta de colocar o genial Dustin Hoffman no papel mais constrangedor de sua carreira. Bom, o tempo é o melhor crítico que existe. Gosto de Hook até hoje. É um filme imperfeito, mas que transborda magia. Coisa que A Loja Mágica de Brinquedos não tem. Coitado do Dustin Hoffman. Perto desse filme, Hook é O Poderoso Chefão ou, como muitos preferem, Cidadão Kane.

Do início ao fim, o filme de Zach Helm carece de magia. Não dá para reclamar somente da sua falta de experiência na direção - as atuações são medíocres e algumas cenas não são devidamente enquadradas ou dependem exclusivamente da vontade dos atores. Mas veja Dustin Hoffman e Natalie Portman pulando em colchões ou somente o grande ator dançando em cima de plásticos de bolinha. "Lindo".

Apesar do rostinho delicado de menina inocente de Natalie Portman, a (boa) atriz distribui caretas deprimentes ao lado do Dustin Hoffman de Kramer Vs. Kramer, Rain Man e Maratona da Morte. Como perdoá-lo por isso? Em Tootsie, ele poderia facilmente ter caído na caricatura, mas não quis. E é lamentável testemunhar um Dustin Hoffman precário e abandonado recitando cada linha do roteiro pouco inspirado de Zach Helm.

Há outra impressão terrível durante a exibição de A Loja Mágica de Brinquedos: parece que o estúdio precisou cortar o orçamento. Não sei se isso é verdade, mas o resultado é pobre. Nada que a criatividade de seus realizadores não fosse capaz de consertar, afinal A Loja Mágica de Brinquedos tem cara de filme infantil à moda antiga. Só cara, porque a alma não existe. No tempo do meu avô, Hollywood precisava se virar com boas idéias e muita imaginação para driblar a ausência de recursos oferecidos pela tecnologia. Entre outros truques, o diretor confiava 100% no mais simples: seu talento com a câmera na frente de um elenco dedicado.

Em A Loja Mágica de Brinquedos, o velho Sr. Magorium (Hoffman) está com 243 anos. Depois de muitas aventuras, ele decide partir para a mais emocionante delas: a própria morte. Mas antes, Magorium precisa ter certeza de que Molly Mahoney (Natalie Portman), sua ajudante e única funcionária da loja, aceitará o local como herança. A premissa até renderia um papel interessante para homenagear a carreira de Dustin Hoffman se todos pensassem em cinema e não em circo. Enfim, essa é A Fantástica Fábrica de Chocolate que não comeu arroz e feijão e não foi para a escola.

Em tempo: Zach Helm é o roteirista de Mais Estranho que a Ficção. Muitos o chamaram de gênio. Então, como explicar A Loja Mágica de Brinquedos? Desta vez, ele criou uma trama sem graça para os adultos e, ao mesmo tempo, capaz de deixar as crianças desinteressadas em alguns momentos dramáticos ridículos como o discurso vergonhoso do Sr. Magorium sobre Rei Lear, que faz William Shakespeare se revirar no túmulo.

Se você procura um belo presente de Natal para o seu filho, passe longe da loja do Sr. Magorium. Ou ensine a ele o que representa o bom e velho Dustin Hoffman com DVDs de seus grandes sucessos. Se a criança for pequena, compre Hook.

A Loja Mágica de Brinquedos (Mr. Magorium's Wonder Emporium, 2007)
Direção: Zach Helm
Roteiro: Zach Helm
Elenco: Dustin Hoffman, Natalie Portman e Jason Bateman

9 Comments:

At 8:50 PM, novembro 19, 2007, Blogger Alex Gonçalves said...

Este filme deve ter sido mesmo um tiro no pé do trio Helm, Hoffman e Portman. Não tenho curiosidade alguma com a produção, e deve me custar muita disposição se um dia eu pensar em locar o DVD futuramente...

 
At 10:29 PM, novembro 19, 2007, Anonymous Wally - Cine Vita said...

Uma pena...mas no fundo, fundo, nunca levava muita f� nesse filme, a �nica esperan�a mesmo sendo Zach Helm e os atores, mas pelo jeito, parece ter sido um fiasco total. Aqui s� estreiou dublado e por isso, me recuso a ver.

Ciao!

 
At 11:17 PM, novembro 19, 2007, Blogger Kamila said...

Ai, Otavio. Eu adorei esse filme. Me lembrei também de "A Fantástica Fábrica de Chocolate", mas acho que o Helm retoma o tema de "Mais Estranho do que a Ficção", falando da vida e de pessoas que querem se encontrar.

E eu perdôo o Dustin Hoffman, que, de longe, foi o melhor ator do filme.

Beijos.

 
At 11:42 PM, novembro 19, 2007, Anonymous Vinícius P. said...

Puxa, mas é tão ruim assim? Talvez nem arrisque, pois ultimamente não estou com muita disposição para ver essas fitas medianas. De qualquer forma tenho certa curiosidade para saber como o Zach Helm se saiu como diretor, já que gostei bastante de seu roteiro em "Stranger than Fiction". Sem falar que a Natalie Portman é sempre um motivo para ir ao cinema...

 
At 2:45 PM, novembro 20, 2007, Blogger Otavio Almeida said...

Eu achei horroroso... deveria ter visto OS DONOS DA NOITE. Alguém viu?

abs!

 
At 8:10 PM, novembro 20, 2007, Blogger Kamila said...

Assisti a "Os Donos da Noite" hoje, Otavio, e adorei!

Beijos.

 
At 12:59 AM, novembro 21, 2007, Blogger Otavio Almeida said...

Kamila, que filmaço...

 
At 10:38 AM, novembro 21, 2007, Blogger Museu do Cinema said...

Vc e a Kamila parecem que estão frequentando as mesmas salas de cinema...

Como disse no blog dela, desculpe, mas li o post dela primeiro, ladys first, acho que esse filme cai melhor no dvd.

 
At 4:44 PM, novembro 21, 2007, Blogger Kamila said...

Eu que queria frequentar as mesmas salas de cinema que o Otavio, assim já teria assistido "Piaf - Um Hino ao Amor", "Desejo e Reparação", "No Vale das Sombras"...

 

Postar um comentário

<< Home