terça-feira, maio 27, 2008

Sydney Pollack fez tudo (e mais um pouco) pelo cinema


Ontem à noite, o diretor, ator e produtor americano Sydney Pollack perdeu sua batalha contra o câncer. Pollack partiu aos 73 anos e apenas dois meses após o amigo Anthony Minghella, para quem produziu O Talentoso Ripley, Cold Mountain e Invasão de Domicílio. Recentemente, Pollack também produziu Conduta de Risco, de Tony Gilroy, e o ainda inédito no Brasil O Amor Não Tem Regras, de George Clooney.

Como diretor, Sydney Pollack fez grandes filmes como A Noite dos Desesperados (1969), Mais Forte que a Vingança (1972), Nosso Amor de Ontem (1973), Operação Yakuza (1974), Três Dias do Condor (1975), Ausência de Malícia (1981), Tootsie (1982) e A Firma (1993). É vergonhoso, mas ainda não vi alguns de seus sucessos como Havana (1990) e Entre Dois Amores (1985), que lhe rendeu os Oscars de Melhor Filme e Melhor Diretor.

Pollack foi um cineasta de forte opinião política. Apesar de Tootsie, que é uma comédia fantástica e, talvez, o seu trabalho mais popular, Pollack gostava mesmo era de discutir a situação política dos EUA em seus melhores filmes. Tootsie não deixa de mostrar um cenário da sociedade e da política americana na virada dos anos 70 para os 80, mas se você rever A Noite dos Desesperados, esses aspectos são muito mais evidentes. Assim como em Nosso Amor de Ontem, que é lembrado como um dos mais famosos filmes românticos da década de 70, mas, na verdade, o que une e separa o casal Robert Redford e Barbra Streisand é a política.

O tema foi explorado por Pollack em outros formatos, afinal ele foi um dos mestres do thriller político apresentado por Hollywood naquele período. O diretor analisou os EUA pós-Richard Nixon, que foi presidente de 1969 a 1974, em filmes nervosos como Três Dias do Condor e Ausência de Malícia - não é à toa que seu nome está na produção de um atual e legítimo herdeiro do "gênero": Conduta de Risco.

Seu último grande filme como diretor foi A Firma, que honrou seu legado como bom diretor de thrillers. Depois disso, cometeu bobagens como a refilmagem de Sabrina e o romântico Destinos Cruzados. Porém, você sabe, em Hollywood até respeitados diretores precisam fazer porcarias somente para a manutenção de seus nomes na indústria. Para isso, Pollack se saiu bem melhor como produtor nos últimos anos. São títulos como Razão e Sensibilidade, de Ang Lee, Iris, de Richard Eyre, O Americano Tranqüilo, de Phillip Noyce, além dos já citados trabalhos para Anthony Minghella, George Clooney e Tony Gilroy. Um dos nomes fortes para a próxima temporada do Oscar também tem produção de Sydney Pollack. Trata-se de The Reader, o novo filme de Stephen Daldry, o ótimo diretor de Billy Elliot e As Horas.

Como ator, Pollack se destacou em filmes como Maridos e Esposas, de Woody Allen, O Jogador, de Robert Altman, A Qualquer Preço, de Steven Zaillian, De Olhos Bem Fechados, de Stanley Kubrick, Conduta de Risco, de Tony Gilroy, além dos seus filhotes Tootsie, Destinos Cruzados e A Intérprete. Seu último trabalho como ator foi O Melhor Amigo da Noiva, comédia romântica com Patrick Dempsey em cartaz nos cinemas.

15 Comments:

At 3:21 PM, maio 27, 2008, Blogger fabiana said...

Eu não sei quanto a você, mas, eu sempre achei muito digna a presença de Pollack na frente das câmeras!

Grande perda!

 
At 3:51 PM, maio 27, 2008, Blogger Kamila said...

Que linda homenagem, Otavio! O Sydney Pollack foi grande em todas as searas na qual atuou: seja na frente das câmeras, como ator; ou nos bastidores, como diretor ou produtor. Definitivamente, uma grande perda para o cinema!

Beijos!

 
At 7:03 PM, maio 27, 2008, Blogger Museu do Cinema said...

Figura hollywoodiana muito querida, ator e cineasta competente, uma perda realmente!

 
At 10:13 PM, maio 27, 2008, Anonymous Denis Torres said...

Vixe, esse ano está dando arrepios! Não chegamos nem no meio do ano e já tivemos tantas perdas consideráveis... Havana não é dos melhores de Pollack e foi um desastre de bilheterias na época. Já o filme Entre Dois Amores é obrigatório, Otávio! Mas só pelo clássico cômico (tão difícil nesse gênero) Tootsie, Pollack já tem seu nome na história do cinema. A noite dos desesperados é uma ótima lembrança, filme que pode ser considerado uma das maiores representações sobre a depressão americana feito no ano de 69, nossa, como o tempo passa rápido! Eis um grande diretor e produtor que se manteve lúcido e produtivo até o fim de sua vida, um verdadeiro craftsman da indústria cinematográfica. Adeus Pollack, com você se foi o pouco que ainda resta de inteligência no cinema americano.

 
At 10:53 PM, maio 27, 2008, Anonymous Vinícius P. said...

Belo texto, Otavio! Como disse em outros blogs, não conhecia muito bem o trabalho do Sydney Pollack como diretor (sendo "A Firma" meu favorito), mas sem dúvida foi uma perda considerável.

 
At 12:19 AM, maio 28, 2008, Blogger Pedro Henrique said...

Adoro Tootsie, A Firma e Entre Dois Amores.
Uma perda lastimável.

Belo texto!

 
At 12:26 AM, maio 28, 2008, Anonymous Denis Torres said...

Otávio, como vc é da torcida do contra, sendo um dos únicos flamenguistas que conheço que torce para o fluminense, veja só essa notícia:

http://globoesporte.globo.com/Esportes/Noticias/Times/Flamengo/0,,MUL580688-9865,00-FLABOCA+TEM+CAMISA+E+ESCUDO.html.

Abraços.

 
At 11:21 AM, maio 28, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Concordo, Fabiana! Mas depois de A FIRMA, ele se saiu bem melhor como produtor.

Kamila, obrigado! Faltam Sydney Pollacks no cinema...

Obrigado, Vinicius! Acho que meu favorito é TOOTSIE.

Obrigado, Pedro! Tentarei assistir a ENTRE DOIS AMORES em breve.

Denis, mudei de idéia. Torço pelo Boca hoje e na semana que vem. Você não sabe quantas mensagens eu recebi de amigos que torcem para o Fluminense quando o teu time levou um "créu" do Washington. Mas não quero mais falar de futebol!

Abs!

 
At 2:54 PM, maio 28, 2008, Anonymous Denis Torres said...

Otávio, ao contrário de você, vou torcer pelo Fluminense, pois é brasileiro e o Boca já ganhou muita coisa! Mas que vai ser difícil o Fluminense passar, isso vai!!! Acredito que sua torcida pelo Fluminense era mais pela rixa paulistas x cariocas, né mesmo? Abs.

 
At 3:33 PM, maio 28, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Claro que não! Eu torci para o São Paulo contra o Fluminense. Eu cogitei torcer para o Fluminense na Libertadores pra ver se o Flamengo abre o olho (Se é a rivalidade carioca que move o Flamengo).

Mas me enganei. Não consigo fazer isso... Hoje, torço para o Corinthians contra o Botafogo, e para o Boca contra o Fluminense. Nada de torcer para os rivais do Rio!

Abs!

 
At 4:13 PM, maio 28, 2008, Blogger Kamila said...

Obrigada por torcer pelo Corinthians hoje, Otavio!!!! :-)

Beijos!!!

 
At 5:17 PM, maio 28, 2008, Blogger Pedro Henrique said...

Corinthiana, Kamila? hehehehe.

Eu torço para o Corinthians só por causa do Mano Menezes.

E hoje vai dar Boca, Otávio!!!

Abraços!

 
At 5:25 PM, maio 28, 2008, Blogger fabiana said...

Otávio, e Contato de Risco?

 
At 5:30 PM, maio 28, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Contra o Botafogo, será um prazer, Kamila.

Pedro, não sei. Mas espero que o Boca se classifique e perca para a LDU na final.

Fabiana, eu citei CONDUTA DE RISCO. No que exatamente você se refere?

Abs!

 
At 10:20 PM, maio 28, 2008, Anonymous Wally said...

Excelente texto! Eu vi poucos dele como diretor, mas acredito ter conferido bastante atuados e principalmente produzidos por ele. Sem dúvida, muito talentoso. E mais uma grande perda para todos nós. O ano está realmente muito ruim.

Ciao!

 

Postar um comentário

<< Home