terça-feira, junho 03, 2008

O Sonho de Cassandra

Tom Wilkinson e Ewan McGregor perguntam a Colin Farrell
se a namorada de seu personagem é a irmã feia de Scarlett Johansson


Woody Allen nunca foi popular. Mesmo em sua melhor época em Nova York, que rendeu filmaços como Annie Hall, Manhattan e Hannah e Suas Irmãs. Alguns ainda adoram odiá-lo e, por isso, vejo como perda de tempo defender ou justificar qualquer coisa relacionada ao cineasta pelo uso de sofismas. Acho que qualquer filme de Woody Allen, mesmo que ele tenha uma abordagem superficial, sempre é capaz de passar alguma mensagem. Se você concorda ou não, aí vai do sentimento de cada espectador.

Mas, antes de continuar, acho que isso vale para qualquer tipo de cinema: o de autor, o de arte ou o de entretenimento. Se a pessoa estiver disposta a pensar, claro, ela formará teorias a respeito de qualquer filme. Ainda mais no cinema de Woody Allen, que consegue ser de autor, de arte e de entretenimento. E mesmo que não seja um dos meus favoritos do diretor, O Sonho de Cassandra (Cassandra's Dream, 2007) não é diferente.

Acho que não cabe aqui compará-lo aos clássicos de Allen dos anos 1970 e 1980. Allen faz, em média, um filme por ano, portanto, comparar é exigir que seu cérebro mande um sinal para o seu rosto fazer um olhar blasé numa discussão sobre a filmografia do diretor.

Enfim, O Sonho de Cassandra tem tudo o que o cinéfilo procura em um bom filme: ótimas atuações, um belo roteiro, que expõe os personagens a situações imprevisíveis, e um Woody Allen cada vez mais elegante por trás das câmeras - talvez o charme natural de Londres tenha contagiado o pequeno novaiorquino de óculos. Ora, quantos filmes proporcionam esse conjunto de qualidades por ano? Ainda pensando? Pois é. Um filme de Woody Allen por ano representa, pelo menos, um filme bom por ano na vida de um cinéfilo. Se você prefere esse título do diretor ou aquele outro, aí é pura escolha pessoal.

Contar a trama de O Sonho de Cassandra é matar a palavra "surpresa" do vocabulário do espectador que ainda não o assistiu. Então, não farei isso com você. Basta dizer que o filme arranca risadas na hora certa e, principalmente, provoca calafrios na platéia. Vão dizer que O Sonho de Cassandra saiu da admiração de Allen por Crime e Castigo, de Dostoievski, que já inspirou outros belos trabalhos do diretor como Crimes e Pecados e Match Point, mas isso já é lugar comum. Apenas assista a O Sonho de Cassandra e tenha o prazer de acompanhar uma história que vale o ingresso. Veja como Allen arranca uma excelente atuação de Ewan McGregor e como ele transforma Colin Farrell num ator de verdade. Aliás, a idéia de colocar os dois como irmãos foi um gol de placa. Preste atenção na morena Hayley Atwell, que não é somente linda, mas também uma atriz promissora. Ou na música de Philip Glass, cuja proposta se encaixa perfeitamente na habitual trilha oferecida pelos filmes de Allen, um apaixonado por jazz e blues. Tudo funciona... até o final.

Como eu disse, esse Allen não é o meu favorito, mas trata-se apenas de uma observação pessoal. Tem gente que vai adorar o que eu considerei como o calcanhar de Aquiles de O Sonho de Cassandra. Acho que a trama é muito bem conduzida até o terceiro (e último) ato. Até ali, não dá para desgrudar os olhos da tela. Porém, a conclusão é apressada demais e não parece ter saído da mente ou das palavras escritas por Woody Allen. Muitos comparam O Sonho de Cassandra a Match Point. Mas lembre-se do final daquele filme estrelado por Jonathan Rhys Meyers e Scarlett Johansson. É um final difícil de acontecer na vida real, mas é memorável, imprevisível. Cassandra é exatamente o contrário. É um final digno de escritorzinho de segunda categoria de livros vendidos em qualquer banca de jornal. Prefiro acreditar que alguém atrapalhou as filmagens e deu um basta, obrigando o diretor a terminar o filme daquele jeito.

Mas olha só a contradição... já me peguei fazendo comparações. Pois imagine, agora, o meu olhar blasé.
Mas, tudo bem, Woody Allen tem crédito e o filme é bom - mesmo deixando sua atual musa Scarlett Johansson de fora da brincadeira. Isso sim tira uma estrela da crítica.

O Sonho de Cassandra (Cassandra's Dream, 2007)

Direção: Woody Allen
Roteiro: Woody Allen
Elenco: Ewan McGregor, Colin Farrell, Tom Wilkinson, Sally Hawkins e Hayley Atwell

14 Comments:

At 5:33 PM, junho 03, 2008, Blogger Pedro Henrique said...

O final do texto é corretíssimo.
Eu gostei do filme, apesar do final banal e clichê.

Abraço!

 
At 5:42 PM, junho 03, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Pedro, eu concordo com você e repito o seu comentário: "Eu gostei do filme, apesar do final banal e clichê."

Abs!

 
At 5:49 PM, junho 03, 2008, Blogger Kamila said...

Nossa, Otavio, adorei o texto. Tanto que fiquei curiosa para saber que final é esse. Será que o Allen partiu para algo convencional??

Por mais que eu queira assistir a este filme, "O Sonho de Cassandra" teima em não estrear por aqui!!!

Beijos!

 
At 7:20 PM, junho 03, 2008, Blogger Museu do Cinema said...

FILMÃO OTÁVIO!

 
At 10:19 PM, junho 03, 2008, Anonymous Vinícius P. said...

Gostei muito desse filme, para mim é um dos cinco melhores do ano - sem falar que tem o melhor final! Além do trabalho impecável de roteiro do Allen, destaco as atuações, especialmente do McGregor e Wilkinson. Abraço!

 
At 11:05 PM, junho 03, 2008, Anonymous Wally said...

Vejo que as opiniões divergem. Você diz que não é maravilhoso e que o final é ruim, e Vini já aponta dizendo que foi o melhor final do ano. Ufa...rsrsrs. Quero muito vê-lo! Mas nada dele chegar por aqui. Mas sem Johansson já fico com o pé atrás...brincadeira, rsrsrs.

Ciao!

 
At 11:30 PM, junho 03, 2008, Blogger Robson Saldanha said...

Curiosíssimo pra ver esse filme, todos falam, seja bem ou seja mal. Woody Allen soube fazer o filme ser falado. Quero ver, quero ver!! hehehe

 
At 1:50 AM, junho 04, 2008, Anonymous Luciano Lima said...

Queria tanto ter gostado mais desse filme, mas o final foi realmente uma coisa broxante. O que mais gosto no Allen quando ele entra nessa de projetos voltados pro suspense é que ele brinca com o espectador, isso aconteceu menos nesse que em Match Point, mas ainda assim é um bom filme.
Abraço.

 
At 11:21 AM, junho 04, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Kamila, parece que acabou a grana e resolveram filmar cada cena do final num take só em cinco minutos pra mandar rapidinho pra sala de montagem. Não é assim que funciona, claro, mas essa foi a minha sensação. Mas tirando o final, o filme é bom, mas não excelente.

Cassiano, o filme é bom! Sem o "ÃO".

Vinicius, o que seria do preto se todos gostassem apenas do vermelho, não? Aí não existiria o Flamengo... Mas achei o filme bom. Três estrelas!

Wally, o filme não é maravilhoso. É quase. Pena que o final é ruim. E pior que, no início, eu pensei que a garota loira era a Scarlett fazendo uma ponta. Só que a atriz mostra o rosto e ela está no filme inteiro. Tenho certeza que não é ela.

Robson, bem ou mal, falem do Woody Allen! É isso aí! Mas Allen é como pizza, mesmo não sendo uma obra-prima, já está bom demais.

Luciano, o filme é bom sim. Eu só não achei maravilhoso. Mas é Woody Allen e isso quer dizer que está MUITO acima da média.

Abs!

 
At 1:53 PM, junho 04, 2008, Blogger Kamila said...

Nossa... Que coisa! Isso é tão incomum nos filmes do Woody Allen. Será que ele não mudou o seu final após alguma screening test da vida???

Beijos!

 
At 4:33 PM, junho 04, 2008, Blogger Hypado said...

O final é o melhor do filme para mim, assim como em Match Point, foi fica imaginando o que vai acontecer.

 
At 4:52 PM, junho 04, 2008, Blogger Rodrigo Fernandes said...

Otavio, se um dia o filme chegar pelas minhas bandas antes de ir para as locadoras eu ficaria muito feliz...rs..
abraços!!!

 
At 6:46 PM, junho 04, 2008, Anonymous Denis Torres said...

Otávio, vamos torcer pelo Fluminense hoje! Vai Brasil!!!

 
At 10:43 AM, junho 05, 2008, Blogger Otavio Almeida said...

Kamila, eu acho que ele armou tudo muito bem, mas correu com a conclusão.

Hypado, o melhor final do ano é o Robert Downey Jr dizendo: "The truth is... I'm Iron Man!"

Rodrigo, daqui a pouco já deverá estar em DVD.

Sim, Denis. Claro. Torço pelo Fluminense como você torce para que o Corinthians chegue na Libertadores antes dos outros paulistas. Sem falar que o Corinthians está na segunda divisão do Brasileiro.

Abs!

 

Postar um comentário

<< Home