domingo, agosto 17, 2008

Audrey teve o que elas não têm

"As feias que me desculpem, mas beleza é fundamental", disse o poeta Vinicius de Moraes. Pode parecer grosseria, machismo ou soberba de um homem inseguro, mas acho que Vinicius não titubeava.

Pelo menos, eu imagino que o grande poeta só conseguia se apaixonar pela beleza em seu estado puro. Por isso, não assimilei esta expressão como uma fala de um homem das cavernas. Prefiro imaginá-la como um provérbio romântico, afinal a beleza está nos detalhes que formam um "todo".

Na verdade, não tento decifrar aqui os pensamentos de um mestre, mas quero aproveitá-lo para iniciar uma discussão sobre a beleza fêmea no cinema.

Para mim, Audrey Hepburn foi a perfeição em forma de mulher. Hoje, em filmes e fotos, seu olhar ainda captura a atenção de um aluno desinteressado na aula. Sua boca é um desenho de linhas, cores e volume em total harmonia. Sua pele e seus cabelos só podiam ter o cheiro das flores mais caras de uma loja daquelas que metem a mão no bolso dos pobres homens apaixonados. Sua voz é a mais bela entre as mais belas vozes das Deusas da sétima arte - agüentei até os gritinhos chatos de sua personagem em My Fair Lady.

Audrey também foi significado e influência de moda. Sei que suas roupas me hipnotizam, embora eu não saiba o nome de nenhuma marca famosa vestida pela atriz. Mas o que mais me impressionou em Audrey Hepburn foi o jeito de menina andando de mãos dadas com o porte natural de princesa. Como aquela de A Princesa e o Plebeu, de William Wyler. Já repararam como Audrey caminha, desfila ou anda naquele filme? Ou como ela olha e fala? Não só no clássico de Wyler, mas também em obras como Sabrina e Bonequinha de Luxo, um dos meus filmes favoritos. Que classe! Que elegância!

Claro, Audrey foi uma excelente atriz, que escolheu muito bem os seus papéis. Ótima em dramas, excepcional em comédias e musicais. Como se não bastasse, ela também foi um exemplo de responsabilidade e compaixão como embaixadora da UNICEF. Linda, meiga, carinhosa, charmosa, respeitada e admirada em cada atitude dentro e fora das telas, Audrey foi uma estrela completa.

Hoje, qualquer atriz magra, bela e vestida pelas roupas e jóias mais caras de Hollywood é classificada como estrela de cinema num piscar de olhos. O termo foi esgotado entre garotas esqueléticas e mimadas. Mas a beleza não está somente na tela ou no sucesso de um filme recente. A beleza não está necessariamente em quilos de maquiagem e nos resultados dos flashes que iluminam os tapetes vermelhos. Popularidade é uma das expressões mais banais criadas no século XX. Audrey sabia disso. Ela se destacou entre os clichês fabricados ao seu redor. E ela mostrou o caminho para as gerações seguintes. As feias que me desculpem, mas ter classe e atitude ainda é fundamental.

10 Comments:

At 10:28 AM, agosto 18, 2008, Anonymous Robson Santos Costa said...

Concordo com todo o texto. Mas considero as mais belas: a Ingrid Bergman. Nossa, em Casablanca ela tá simplesmente espetacular em todos os sentidos.
E a Grace Kelly, simplesmente lindíssima e talentosa. Em Janela Indiscreta ela tá de cair o queixo.

Engraçado como essas mulheres ficam os filmes todos cobertas com longos vestidos e tinham um milhão de vezes mais sensualidade e beleza do que muita "atriz" contemporânea.

 
At 4:11 PM, agosto 18, 2008, Anonymous fabiana said...

Audrey é linda! Mas, Rita Rayworth é mais!

 
At 6:57 PM, agosto 18, 2008, Anonymous Kamila said...

Otavio, sou suspeita para falar da Audrey Hepburn, porque, além de ser uma das minhas atrizes favoritas, a considero um modelo de vida. Alguém a quem admiro muito!

Parabéns pelo texto!

Beijos!

 
At 8:19 PM, agosto 18, 2008, Blogger Museu do Cinema said...

Em Jerry Maguire Tom Cruise diz, vc tá linda, isso é mais que um vestido, isso é um filme de Audrey Hepburn;

 
At 8:34 PM, agosto 18, 2008, Blogger Pedro Henrique said...

Engraçado o Cassiano destacar uma cena de Jerry Maguire, pois eu acabei de assistir o filme. Enfim, Audrey era LINDA e excelente atriz. Dispensa comentários. Poucas chegaram no nível dela.

E quinta nos encontramos no maraca novamente hein???

Abraço!!!

 
At 12:44 AM, agosto 19, 2008, Blogger Johnny Strangelove said...

Rapaz, tem um bar aqui em Recife com o nome dela ... dai vc tira
toda vez que via o rosto dela estampado no bar ficava pensando ... como é que pode a mulher ser dona de um rosto praticamente impecavel e o resto das minas de hoje apelam ou pro bisturi ou photoshop ...

Uma mulher que um dia esperamos reencontrar ...
abraços

 
At 12:08 PM, agosto 19, 2008, Anonymous Denis Torres said...

Aguero no chope? Fala sério...E que Dunga caia logo!!!

 
At 3:09 PM, agosto 19, 2008, Blogger contra-regra said...

Finalmente, alguém que partilha a minha opinião em termos de beleza. Audrey foi fenomenal em todos sentidos (e não cabe aqui um puxa-saquismo fanático, pois hollywood nos presenteou com muitas belezas descomunais: Elizabeth Taylor, Ingrid Bergman, Kim Novak, Rita Hayworth, entre tantas outras, mas de um elán poucas vezes visto em matéria de estética).

Uma pena que o cinema mundial tem valorizado tantas mulheres musculosas e siliconadas. Mas ainda há belos exemplares, como a Nicole Kidman e a Carice Van Houten (aquela loira do filme A Espiã, do Paul Verhoeven).

Mídia e cultura:
http://robertoqueiroz.wordpress.com

 
At 10:24 PM, agosto 19, 2008, Blogger Flávia said...

Você sabe que Audrey é minha musa... Citaram aí outras atrizes como sendo mais bonitas. Pode até ter havido mais bonitas, mas Audrey não era só beleza. Ela tinha porte, elegância, delicadeza, boa educação, inteligência e um bom coração. Audrey sintetizava a femilidade. Ela é tudo que uma mulher deveria ser. Não vejo hoje nenhuma atriz que se compare a ela. Ainda mais em tempos de mulheres-fruta...

 
At 1:06 AM, agosto 20, 2008, Anonymous Wally said...

Audrey é magnífica. Quem se esquece de Bonequinha de Luxo ou ainda não teve o prazer de assistir ou sofre de alguma síndrome séria. Talento em perfeito sincronia com beleza.

 

Postar um comentário

<< Home